Descrição de chapéu Obituário Renato Brolezzi (1968 - 2019)

Mortes: Despertou o amor pela arte e pelo conhecimento humano

Professor de história da arte, Renato Brolezzi teve passagens pelo Masp e Museu de Arte Sacra

São Paulo

Não era difícil se contagiar pelo amor que o antropólogo, sociólogo, historiador e professor Renato Brolezzi nutria pela arte.

"Ele cativava as pessoas e despertava nelas a paixão pela arte", diz o professor de sociologia e filosofia Edmar Yuta, 53, amigo dele há 15 anos.

Renato nasceu em Campinas (93 km de SP). Formado pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), era crítico de arte e pesquisador de história da arte e da cultura. 

Renato Brolezzi (1968-2019)
Renato Brolezzi (1968-2019) - Gisele Bertinato/Facamp

Foi professor de história da arte da Facamp (Faculdades de Campinas) e integrou a equipe do serviço educativo do Masp (Museu de Arte de São Paulo) de 1997 a 2014. Também ministrou aulas de arte no Museu de Arte Sacra, na Casa do Saber e no Club Athletico Paulistano.

Erudito, tinha amor pelo saber e valorizava o conhecimento humano e social. Com sua simplicidade e humildade, abriu caminho para que pessoas de todas as classes sociais tivessem acesso à arte.

Um bom exemplo foi o trabalho desenvolvido no Coletivo Cidade em Memória —um grupo que organiza passeios culturais por locais historicamente importantes em Campinas, com o objetivo de promover momentos de encontro no espaço público através da história da arte.

Amigos e alunos o descrevem como gentil, generoso e dono de humor refinado e inteligente. Sua maior alegria era ensinar arte.

Para Emerson Tin, 44, professor de Língua Portuguesa e Literatura da Facamp e amigo de Renato há dez anos, além do grande legado que deixou para a arte e cultura ficam a humildade e o sorriso fácil.

Renato Brolezzi morreu dia 17 de novembro, aos 51 anos, de parada cardíaca. Solteiro, não tinha parentes próximos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br
 
Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.