Descrição de chapéu Obituário Maria Pérola Sodré (1922 - 2019)

Mortes: Em 92 anos de escotismo, foi exemplo para várias gerações

Maria Pérola Sodré era a mais antiga integrante viva do movimento escoteiro no Brasil

São Paulo

A doçura esteve presente em todos os seus momentos: nos de bravura —na coordenação do atendimento às vítimas do incêndio do Gran Circus Norte-Americano, que vitimou centenas de pessoas em Niterói (RJ), em 1961, por exemplo—, e quando falava sobre educação. 

Segundo um dos netos, Maria Pérola Sodré —a mais antiga integrante viva do movimento escoteiro no Brasil— dizia que as pessoas deveriam ser igual rapadura: doce e dura.

"Minha avó acreditava que servir de exemplo é primordial para educar alguém", conta o analista de sistemas André de Wolf Oliveira, 54.

Maria Pérola Sodré (1922-2019)
Maria Pérola Sodré (1922-2019) - Fernando Chaves

Principal referência do Escotismo do Mar e do Movimento Escoteiro nas últimas quatro décadas no país, Maria Pérola tinha 92 anos de boas atividades. Recebeu em vida os maiores reconhecimentos possíveis do escotismo nacional.

Nasceu no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro, numa família de escoteiros e bandeirantes. Herdou do pai, o Velho Lobo, almirante Benjamin Sodré, autor do "Guia do Escoteiro" (1925), o dom para o voluntariado. 

Era gentil, simples, ativa e sábia. Atuou em várias áreas do conhecimento humano, principalmente em educação e religião. Gostava de mergulhar e de esportes em geral.

"Ela era bem-humorada, positiva e despojada de bens materiais. A minha avó se importava com o ser humano e se sentia realizada ajudando ao próximo", diz André.

Uma das suas paixões era a ilha da Boa Viagem (Niterói), pertencente à Marinha, da qual foi guardiã, missão que assumiu após a morte do pai, em 1982.

Conhecida pelo apelido de Gaivota Branca, era a presidente de Honra do 4º/RJ Grupo Escoteiro do Mar Gaviões do Mar, sediado na ilha. 

Morreu dia 23 de dezembro, aos 97 anos, em decorrência de uma infecção. Viúva, deixa um filho, três netos, quatro bisnetos e três irmãos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br
 
Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas​​

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do publicado, Maria Pérola Sodré morreu dia 23 de dezembro, e não 22. Ela deixou três irmãos e não seis. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.