PM encurralou multidão em vielas onde houve pisoteamento, indicam relatos e vídeos

Imagens mostram pessoas sendo perseguidas e apanhando de cassetete em ruas estreitas

Artur Rodrigues Adriano Vizoni
São Paulo

Relatos de moradores e dezenas de vídeos analisados pela reportagem indicam que a ação policial dirigiu uma multidão de jovens para vielas em ação policial em baile funk na favela de Paraisópolis. 

O episódio na madrugada deste domingo (1) terminou com ao menos nove mortos e sete feridos por pisoteamento. 

A ação aconteceu na rua Ernest Renan, onde acontece o maior pancadão da cidade, conhecido Baile da 17, que aglomerava mais de 5.000 pessoas. 

Dono de um bar no fluxo do baile funk, Anderson Figueiredo, 34, diz que os policiais chegaram atirando bombas de gás e balas de borracha. Ele nega que tenha havido perseguição a bandidos. 

Segundo ele, ambos os lados da rua foram cercados pelos agentes, que atiravam e batiam em quem se aproximasse. A multidão então só conseguiria dispersar por suas vielas de menos 2 metros de largura, cheias de escadas, o fez com que muitos tropeçassem.

"Eu coloquei várias pessoas para dentro do meu bar, mas não cabia mais gente uma hora", diz.

Vídeos gravados pelos moradores dos altos das casas mostram a chegada dos policiais atirando munição não letal. Outras imagens mostram que as pessoas foram perseguidas nas vielas, onde apanhavam com cassetete. 

Rafael dos Santos, 29, vendia cachorro quente na festa quando foi atingido por uma bala de borracha. "Chegaram dando tiro, jogando bomba. Meu carrinho chegou a cair no chão e as pessoas me ajudaram", disse. "Esse baile ajuda muita gente aqui, movimenta o comércio e paga os aluguéis".

Moradores da favela afirmaram que, ao ver feridos, foram proibidos de socorrer as vítimas —que foram levadas para uma unidade de saúde na favela, onde vídeos mostram a tentativa de reanimação.

Grávida de 18 semanas, J.L., 29, mora em frente ao baile e acordou com a fumaça das bombas dentro de casa. "Meu corredor ficou todo branco. Eu e meus filhos passamos muito mal por isso", disse.

Na manhã seguinte ao episódio, moradores pintaram frases de protesto no asfalto. Em frente à viela onde houve pisoteamento pintaram as palavras "Justiça e " luto". Em outro ponto, escreveram: "a favela chora". 

Moradores da favela afirmam que a situação em Paraisópolis é difícil após um policial ser morto há um mês. Na ocasião, o  sargento Ronaldo Ruas Silva, de 52 anos, da Força Tática, foi baleado após uma abordagem a suspeitos com troca de tiros. 

Desde então, os moradores relatam truculência dirigida de forma geral à comunidade. 

Uma das moradoras mais antigas de Paraisópolis, Zita Oliveira, 62, diz que a população quer paz. Ela pretende fazer um protesto contra o ocorrido. 

"Como ficam as mães dos que morreram? Eles [policiais] não tem consciência do que eles fazem? A gente só quer paz",  afirmou. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.