Polícia Civil indicia homem que usou braçadeira nazista em MG

Em depoimento, ele disse que símbolo era considerado amuleto de sorte antes de ser usado por nazismo

Porto Alegre

A Policia Civil de Minas Gerais indiciou nesta quarta-feira (18) o homem que usou uma braçadeira vermelha com uma suástica, similar ao modelo usado por oficiais nazistas, em Unaí, a 600 km de Belo Horizonte. 

Ele foi indiciado por discriminação racial, crime com pena prevista de dois a cinco anos de prisão e multa.

O indiciamento veio com a conclusão do inquérito aberto nesta segunda-feira, depois que imagens do homem em um bar da cidade começaram a circular nas redes sociais. 

Homem usa braçadeira com símbolo nazista no interior de Minas
Homem usa braçadeira com símbolo nazista no interior de Minas - Arquivo pessoal

O caso ocorreu no último sábado. A Polícia Civil ouviu como testemunhas pessoas que estavam no local. A Polícia Militar chegou a ser acionada e esteve no bar na noite do fato, mas registrou apenas boletim de ocorrência interno, que é encaminhado ao comando da unidade. Um procedimento administrativo apura a conduta dos PMs.

O homem, que tem 59 anos segundo a polícia, prestou depoimento na terça-feira e alegou sofrer de depressão e ansiedade. Um mandado de busca e apreensão foi cumprido na casa e na fazenda dele, mas nenhum material de ideologia nazista foi encontrado. 

Ele alegou em depoimento que em pesquisas feitas na internet descobriu que a suástica era um amuleto de sorte antes de ser usada pelo Partido Nazista da Alemanha.

Uma perícia realizada pela polícia no telefone celular dele mostrou que o homem visitou 35 sites diferentes. 

Segundo o delegado Leandro Coccetrone, isso levou à conclusão de que ele teria consciência da ligação do símbolo com a ideologia que assassinou milhões de judeus, além de ciganos, eslavos, socialistas e LGBTs, entre outros, na primeira metade do século 20. 

A reportagem não conseguiu contato com o homem ou com a defesa dele até a publicação desta reportagem.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.