Descrição de chapéu Obituário Juliano Cezar (1961 - 2019)

Mortes: Viveu intensamente o amor pela música e pelos cavalos

Juliano Cezar era conhecido cowboy vagabundo, título que ganhou após gravar música homônima

São Paulo

Juliano Cezar, 58, morreu na madrugada desta terça-feira (31), após sofrer uma parada cardíaca enquanto fazia o que amava: cantar. Foram 33 anos de carreira, que renderam 14 álbuns com sucessos como "Não aprendi dizer adeus" (1990), "Malvada" (2002) e "Cowboy Vagabundo" (2002). 

Natural de Poços de Caldas (MG), Juliano Cezar tinha duas paixões avassaladoras, segundo família e amigos: música e cavalos. 

Juliano Cezar (1961 - 2019)
Juliano Cezar (1961 - 2019) - Instagram

Antes de se tornar sertanejo, ele tentou a vida como peão de rodeio, mas, após se machucar e operar a coluna, não pôde mais montar como antes. 

Nos palcos e na vida pessoal, Juliano Cezar era uma pessoa engraçada e brincalhona, sempre disposta a ajudar. "Juliano era uma pessoa solidária. Tinha um coração de ouro e estava sempre perto da família, da mãe, dos sobrinhos e dos amigos", conta Maria Cristina de Melo Costa, 60, irmã do cantor. 

Segundo ela, Juliano transmitia determinação e amor pela arte. "Ele estava preocupado em fazer o 'trem' direito. Sempre ansioso para que desse certo, acompanhando tudo de perto, era detalhista, mas sempre alegre", diz. 

O cantor não tinha apreço pelo holofote e pelo luxo do show business. "Era um cara simples. Para ele, um prato de arroz, feijão, ovos, bife e salada bem feito era o suficiente", conta Mauro Vasconcellos, assessor e amigo há mais de duas décadas. 

Longe das bebidas, do cigarro e de drogas, o cantor tinha hábitos saudáveis, segundo Vasconcellos. O assessor afirma que sempre que viajavam para shows, Juliano procurava um lugar para fazer exercícios. Se não encontrava, saía em caminhada pela rua. 

Juliano Cezar deixa a esposa Andrea Mendes, com quem ficou casado por 27 anos, e sucessos que tocam nas rádios de todo o Brasil.

coluna.obituario@grupofolha.com.br
 
Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.