Descrição de chapéu Folha Verão

Verão é propício para alta de casos de dengue, chikungunya e zika; veja como se prevenir

Incidência de novo sorotipo de dengue e a não eliminação dos criadouros do Aedes aegypti são preocupações na estação

São Paulo

O verão chegou e com ele o aumento de casos de doenças como dengue, zika, chikungunya e até febre do mayaro —este último em circulação no Rio de Janeiro.    

Nova no Brasil, a febre do mayaro é transmitida por mosquitos silvestres, que vivem em matas e nas copas das árvores, como o haemagogus —o mesmo da febre amarela silvestre. Os sintomas são semelhantes aos da chikungunya (febre e dores de cabeça e musculares, além de manchas avermelhadas na pele).

“O verão traz o maior risco, devido às chuvas associadas ao comportamento das pessoas, que estão relaxadas e não se preocupam em eliminar os criadouros do Aedes aegypti”, afirma Melissa Palmieri, especialista em vigilância em saúde e coordenadora-médica do Grupo Pardini.

De 1º de janeiro a 9 de dezembro de 2019, foram registrados na cidade de São Paulo 16.676 casos de dengue e três mortes em decorrência da doença, além de um caso de chikungunya, segundo dados da Covisa (Coordenação de Vigilância em Saúde), órgão ligado à Secretaria Municipal da Saúde.

Foi o segundo maior número de casos da doença em São Paulo. Só perde para 2015, quando houve mais de 100 mil notificações.

No mesmo período do ano anterior, foram 586 casos de dengue, 34 de chikungunya e 14 de febre amarela, com seis mortes pela doença. Em 2017, foram registrados 866 confirmações de dengue, 3 de zika e 33 de chikungunya.

Além da expectativa de aumento de notificações destas doenças, para 2020 há uma preocupação maior. Nos últimos cinco anos, circulou nos grandes centros o sorotipo 1 da dengue. O 2 está sendo monitorado na cidade de São Paulo desde o verão passado.

“Você tem um contingente de vulneráveis, porque acredita-se que, nos grandes centros urbanos, 80% das pessoas já tiveram exposição ao vírus 1 e ficaram suscetíveis a outros tipos. Então, temos a somatória nada favorável: o verão, a entrada do novo sorotipo e o comportamento das pessoas”, explica Palmieri.

“Essas situações adversas vão colaborar para que o cenário epidemiológico não seja positivo nem controlado”, afirma.

Para Raquel Muarrek, infectologista do Hospital São Luiz, em São Paulo, a dengue está mais recorrente e há uma chance de ela ser mais grave (forma hemorrágica) por causa do novo sorotipo.

Palmieri reforça a importância de se eliminar os criadouros do mosquito Aedes aegypti semanalmente. “Não adianta cobrar do governo se enquanto cidadão você não faz a sua parte. A população não aderiu à ideia de que tem obrigação de cuidar da própria casa.”

A médica dá outras dicas. “Geralmente, a picada do Aedes acontece por volta das 8h e por volta das 16h. É um mosquito que gosta de cor escura e odor forte, como o chulé. Use repelente nestes horários e cores claras."

OUTRAS DOENÇAS

Além das arboviroses, outras doenças têm circulação maior no verão, como as diarreias, quadros virais, dermatites, conjuntivites, bicho geográfico e lesões de pele (micoses de unha e até erisipela, que é muito comum nesta época).

As doenças diarreicas ocorrem quando há a ingestão de alimentos ou água contaminados. Têm como principais causas os enterovírus, principalmente rotavírus e norovírus, e as bactérias, como a Escherichia coli patogênica e a salmonella, entre outras.

É possível evitá-las adotando medidas simples de higiene: lavar as mãos antes de preparar ou consumir alimentos, guardá-los em recipientes fechados, higienizar alimentos crus, consumir os alimentos cozidos imediatamente após o preparo e em temperatura quente, beber água potável, guardar as sobras em geladeiras e sempre reaquecê-las antes de consumir são algumas atitudes preventivas.

O bicho geográfico é contraído na praia. Os médicos recomendam evitar ficar descalço na areia, principalmente perto do calçadão, onde a incidência de fezes e urina de animais domésticos é maior. Em condomínios, o ideal é cobrir os brinquedos do playground para impedir que cães e gatos sujem o local.

No verão, aumenta a circulação do vírus da conjuntivite. Coçar os olhos sem lavar as mãos, frequentar piscinas e aglomerações e compartilhar objetos de uso comum aumentam as chances de contágio da doença.

Muarrek recomenda redobrar os cuidados com a higiene, principalmente se viajar a locais com muita chuva. “Hidrate-se, lave bem as mãos e evite água de bica. Beber água que não é potável aumenta o risco de hepatite A. As águas de enchente podem transmitir leptospirose se o local for infestado por roedores. Quem gosta de acampar deve tomar cuidado com carrapatos. O contato causa a febre maculosa”, alerta Muarrek.

Outra dica é usar repelentes com icaridina (princípio ativo derivado da pimenta), se vestir com calça e blusa comprida. E mais: evite roupas escuras que atraem o mosquito.


DOENÇAS DO VERÃO

Arboviroses

Dengue, zika, chikungunya, febre amarela e febre do mayaro
Transmissão picada do Aedes aegypti
Como ocorre mosquito é atraído por odores fortes e cores escuras; costuma picar as pessoas por volta das 8h e das 16h
Prevenção elimine criadouros —retire a água acumulada em pratos de plantas, pneus, telhas etc.

Febre do mayaro
Transmissão pelo Haemagogus, o mesmo da febre amarela silvestre

Doenças diarreicas

O que são ocorrem quando há ingestão de alimentos ou água contaminados
Transmissão enterovírus e bactérias

Prevenção

1) Lave as mãos antes de preparar ou consumir alimentos
2) Guarde os alimentos em recipientes fechados
3) Higienize alimentos crus
4) Consuma alimentos cozidos imediatamente após o preparo e em temperatura quente
5) Beba água potável
6) Guarde as sobras em geladeiras e sempre reaqueça antes de consumir

Bicho geográfico

Prevenção não ande descalço na areia da praia; em condomínios, cubra os brinquedos do playground para impedir que cães e gatos depositem fezes e urina no local

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.