Descrição de chapéu
Anna Virginia Balloussier

Fama de inimigo do Carnaval, em Crivella, é como glitter: não sai

Em ano eleitoral, prefeito do Rio, evangélico, mais uma vez não vai à avenida

Rio de Janeiro

Se há uma fama que grudou em Marcelo Crivella como glitter no chão de casa é a de que justo ele, prefeito da mais carnavalesca das capitais brasileiras (depois a gente discute, tá, Salvador e Recife?), não gosta de Carnaval. 

A tese: por ser evangélico, o bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus e sobrinho de seu líder, Edir Macedo, preferiria passar longe do furdunço momesco. 

A imagem de inimigo do Carnaval não é uma que um prefeito carioca queira cultivar, sobretudo em ano eleitoral —e Crivella (Republicanos) já anunciou que é candidatíssimo a estender sua temporada no Palácio da Cidade.

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, chega acompanhado de assessores ao Palácio do Planalto
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, chega acompanhado de assessores ao Palácio do Planalto - André Coelho - 14.jan.20/Folhapress

Entrar no quarto ano de mandato sem nunca ter dado as caras no desfile das escolas de samba não ajuda. Na terça (11), foi ao sambódromo para uma vistoria e ali descartou, mais uma vez, participar do espetáculo que sempre foi pit-stop de políticos. "Só não posso vir sambar porque não sei sambar", justificou.

Em entrevista nesta quarta (12), para falar sobre os números da folia, a ausência voltou à baila. A Folha perguntou onde passaria o Carnaval, já que ele não planeja ir à Marquês de Sapucaí. 

O prefeito não respondeu, mas lembrou de seu passado na música gospel e que já teve um samba seu, "Gente Fina", interpretado por Bezerra da Silva (1927-2005). Verdade, mas o sambista do "malandro é malandro, mané é mané" só o regravou quando já se convertera à Universal, aos 74 anos, quatro anos antes de morrer.  

Crivella contou à reportagem em setembro que Edir Macedo até "balançou o pezinho" uma vez em que o sobrinho entoou a letra em questão, que fala de um dizimista fiel que é maluco por Jesus.

"Não saber sambar não quer dizer que não gosta", disse Crivella. "Quero ver se teve outro prefeito [prestigiado por Bezerra]."

O descompasso com o Carnaval não é unânime entre evangélicos. Uns o veem como uma potencial Sodoma salpicada de purpurina; outros, como uma oportunidade para evangelizar num celeiro de álcool, drogas e amor livre. 

Há várias igrejas espalhando confetes por aí. Em 2019, foliões à procura do bloco Só Te Pegando, na Barra da Tijuca (zona oeste carioca), acabaram esbarrando no Cheio de Amor —cortejo da Igreja Batista Atitude, frequentada pela primeira-dama Michelle Bolsonaro.

Em 2018, seu ano dois à frente do Executivo carioca, ele chegou a parafrasear Dorival Caymmi (1914-2008). Cantarolou "O Samba da Minha Terra" e, em vez do trecho original "quem não gosta de samba, bom sujeito não é", mandou um "quem não gosta de samba, bom prefeito não é".

Seus rivais não perdem a chance de explorar a pecha de anticarnavalesco. O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), que o enfrentará na corrida municipal, já afirmou que Crivella "não gosta de Carnaval, mas a cidade gosta". 

Em 2016, na campanha que o coroaria prefeito, o bispo licenciado ensaiou uma boa relação com presidentes de agremiações tradicionais. O site de seu partido trazia uma foto dele com Chiquinho da Mangueira, Regina Celi (Salgueiro) e Jorge Castanheira, que comanda a Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba).

Castanheira disse à época acreditar que o então candidato, se eleito fosse, não deixaria de apoiar o Carnaval, uma praxe entre prefeitos. 

O relacionamento azedou na medida em que Crivella foi reduzindo subsídios para o desfile das escolas de samba do grupo especial. Em 2019, o prefeito usou em entrevista à Folha uma imagem que virou um clichê seu para explicar a necessidade de emagrecer o apoio financeiro: "O Carnaval é aquele bebê parrudo, que já tem que largar o peitinho da mamãe dele, já está indo para a papinha". 

Sua peleja com o Grupo Globo, nada por acaso uma das maiores patrocinadoras da Sapucaí, também pesa aqui. Nesta quarta, Crivella disse que o Carnaval era uma coisa linda e aproveitou para alfinetar a emissora que compete com a Record do seu tio Macedo: "A Rede Globo que o diga, vai com câmeras, artistas maravilhosos, filma Carnaval e [ganha] verbas publicitárias de R$ 250 milhões". 

O embate deste ano com blocos da cidade colaborou para lapidar o rótulo de prefeito avesso à festa favorita de tantos cariocas. A prefeitura primeiro definiu que cortejos grandes só poderiam desfilar de manhã, mas voltou atrás após protestos: afinal, a tradição de coqueluches como a Banda de Ipanema sempre foi pôr o bloco na rua depois.   

O Simpatia É Quase Amor respondeu com um enredo que diz: "Eu faço samba e amor até mais tarde / Quem é você pra querer mandar em mim?". 

Não é justo dizer que Crivella sempre deixa a fé preponderar sobre sua visão de gestor. Ele, por exemplo, defende a instalação de um cassino no Rio, que define como um manancial de investimentos na cidade, a despeito da forte oposição à ideia entre evangélicos, inclusive os de sua própria igreja.

Quando o assunto é Carnaval, contudo, a voz do pastor parece abafar o ziriguidum das ruas. Questionado por um jornalista se, já que à Sapucaí não pretende ir, ao menos poderá ser encontrado no COR (Centro de Operações do Rio, que coordena os dias de folia), o prefeito riu e desconversou. "Me diz a hora que você vai, tá?" Saiu sem marcar nada.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.