Descrição de chapéu Obituário Maria Regina Goloni Preto Rodrigues (1948 - 2020)

Mortes: Irreverente, misturou amor e alegria ao ensino da geografia

Maria Regina Goloni Preto Rodrigues era amada pelos alunos e por muitas vezes foi escolhida como paraninfa e homenageada

São Paulo

Alguns professores deixam uma marca indelével em seus alunos, capaz de movê-los mesmo na idade adulta. Maria Regina Goloni Preto Rodrigues deixou a sua em duas gerações.

Performática e irreverente, fez as aulas de geografia no colégio Bandeirantes memoráveis, em uma época em que não havia recurso tecnológico em sala para atrair a atenção dos adolescentes a países e crises políticas distantes. 

Cumpriu tão bem a missão que suas aulas de geopolítica alimentaram o interesse pelo tema em dois futuros editores de Mundo desta Folha, além de um colunista.

Maria Regina Goloni Preto Rodrigues (1948-2020) e as filhas
Maria Regina Goloni Preto Rodrigues (1948-2020) e as filhas - Arquivo pessoal

Nos corredores da escola de São Paulo, o mapa transformava-se numa bazuca com a qual Regina simulava atingir os alunos. Era difícil desviar a atenção da professora que dançava frevo e criava o próprio jargão para fixar temas espinhosos. 

“Ela pendurava o mapa na lousa e dizia tic tic olha para o mapa!”, conta a filha, a procuradora federal Fernanda Goloni, 40, que também foi sua aluna no ensino médio. Por se referir aos alunos como “tic-tic” 
ganhou o mesmo apelido. 

Nascida em Potirendaba (432 km de SP), mudou-se para a capital paulista ainda criança. Ao lecionar para o supletivo, conheceu o futuro marido e conseguiu emprego no colégio Bandeirantes. 

Regina era amada pelos alunos e por muitas vezes foi escolhida como paraninfa e homenageada. “Ela acordava cantando. Sempre foi muito ativa, dinâmica e bem humorada”, relata Fernanda.

Maria Regina Goloni Preto Rodrigues (1948-2020)
Maria Regina Goloni Preto Rodrigues (1948-2020) - Arquivo pessoal

Mística, adorava gatos, sabia benzer e distribuía orações a quem necessitasse. 

Mas a agilidade mental que marcou suas aulas começaria a se dissipar. Aos 62, recebeu o diagnóstico de Alzheimer. O esquecimento atrapalhou o trabalho, e ela se afastou. 

Maria Regina Goloni Preto Rodrigues morreu dia 2 de fevereiro, de parada cardíaca.

Deixa marido, duas filhas e dois netos, além de uma legião de ex-alunos que encheram as redes sociais de 
homenagens e lembranças.

coluna.obituario@grupofolha.com.br
 
Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.