Sistema de ônibus emperra em SP e velocidade média fica estagnada em 16 km/h

Performance piorou no horário de pico da tarde; especialistas citam poucos corredores exclusivos

Ônibus parados no trânsito da avenida Professor Francisco Morato, no Butantã, zona oeste de SP Eduardo Knapp/Folhapress

São Paulo

Os ônibus na cidade de São Paulo circularam em uma velocidade média de 16 km/h nos horários de pico em 2019.

No horário de pico da manhã, das 5h às 8h59, a velocidade média está estagnada em 16 km/h desde 2017. No horário de pico da tarde (das 16h às 19h59), a velocidade média caiu de 2018 para 2019 —passou de 17 km/h para 16 km/h.

O queniano Kibiwott Kandie venceu a última edição da corrida São Silvestre correndo a uma velocidade média de 20,94 km/h, 39,6% mais do que fazem os ônibus da cidade nos horários de maior movimento.

Os dados da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes de SP foram obtidos pela reportagem via Lei de Acesso à Informação. O histórico dos números desde 2009 mostra que há mais de uma década as gestões municipais não conseguem elevar a velocidade média acima dos 17 km/h nos horários de pico.

Esse dado é calculado por localizadores dentro dos veículos. A frota operacional paulistana tem 12,8 mil veículos e 1.347 linhas. Em média, são transportados 8,9 milhões de passageiros por dia útil.

A gestão Fernando Haddad (2013-2016) tinha como meta elevar a média a 25 km/h, mas não chegou nem perto disso —após a reportagem ser publicada, o ex-prefeito afirmou que a meta era apenas para vias exclusivas de ônibus. Seu sucessor João Doria (2017-2018) também não conseguiu acelerar. O atual prefeito Bruno Covas (PSDB) concorrerá à reeleição em outubro sem mostrar avanços na área.

Para Francisco Christovam, presidente da SPUrbanuss, sindicato patronal das empresas operadoras do sistema de ônibus da cidade de São Paulo, os dados refletem a baixa extensão dos corredores e faixas exclusivas de ônibus.

“Sem infraestrutura, não há como aumentar a velocidade. Posso colocar um motor turbinado, com o dobro de potência, posso dobrar a frota. Não adianta. Ônibus compartilhando faixas com automóvel, moto, bicicleta, não consegue desempenho maior do que esse”, afirma ele.

São Paulo tem 512 km de faixas exclusivas para ônibus e 130 km de corredores segregados, com embarque à esquerda do veículo.

“Não adianta botar veículo com ar condicionado, ter sistema eficiente de controle operacional em tempo real, motorista capacitado, se o veículo não anda”, completa Christovam.

 

Ele dá como exemplo o Expresso Tiradentes, sistema de BRT (bus rapid transit, transporte rápido de ônibus) que circula na zona leste da cidade em 8 km de via segregada, sem semáforo e com embarque rápido de passageiros. “Você consegue chegar à média de 40 km/h", diz.

Quando prefeito, Doria anunciou que estenderia o BRT à zona sul, que foi batizado como Rapidão. A ideia, porém, não saiu do papel.

"O que precisamos é recapeamento de pistas, com concreto, os ônibus não podem frear para passar por valeta e lombada”, afirma Christovam, que diz que a baixa velocidade faz o sistema municipal perder passageiros, inclusive para aplicativos como Uber e 99. “Os ônibus são muito mais baratos e muito melhores para a vida na cidade.”

Rafael Calabria, coordenador de mobilidade do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), diz que a baixa velocidade dos ônibus é grave. “Como a Política Nacional de Mobilidade Urbana [lei federal de 2012] coloca que é um dever das cidades trabalhar pela prioridade do transporte coletivo, a gente interpreta que a prioridade da via é um direito do usuário”, diz.

“Tem um erro macro em como a gente faz as cidades. Obras viárias para o carro saem com maior facilidade, e obras de transporte coletivo têm empecilhos, faltam recursos, as prefeituras tratam como algo secundário”, diz.

Embora a malha exclusiva na capital paulista seja a maior do país em extensão, perde para outras capitais como Curitiba e Porto Alegre quando se compara proporcionalmente ao tamanho da população, segundo estudo do Idec de 2018.

Calabria coloca como fator negativo a permissão de que táxis circulem nos corredores de ônibus. “É um dinheiro jogado fora, porque a infraestrutura demandou investimento, você faz o corredor e depois permite que o transporte individual o utilize”, afirma.

A última pesquisa Origem Destino do Metrô mostra que, em média, usuários de transporte individual (carros, táxi, motocicleta) na Grande São Paulo gastam em média 26 minutos por viagem, enquanto usuários de transporte coletivo (metrô, trem, ônibus e fretados) gastam em média 60 minutos —mais que o dobro, portanto.

A estudante Graziella Santos, 16, esperava na última terça (18) no terminal Princesa Isabel, na região central, o ônibus que a levaria de volta da escola. "Agora está tranquilo, mas depende do horário. Às vezes demora demais, você fica completamente parada. Dependendo de aonde vou, se tiver corredor, até prefiro ir de ônibus, porque você corta todo o trânsito de carros. Mas não é na cidade toda", diz ela.

À Folha, a SPTrans diz que desenvolve estudos para implantar 38 km de faixas exclusivas de ônibus, o que fará a malha da cidade passar dos 512 km para 550 km.

A gestão Covas coloca também na conta da lentidão a invasão das faixas exclusivas por carros particulares. Só entre janeiro e outubro de 2019, foram 819 mil penalidades por essa infração, a terceira mais comum da cidade, que representa 8% do total de multas aplicadas.

A prefeitura diz ainda que promove ações para agilizar o embarque e desembarque de passageiros, além de fiscalizar a invasão das vias exclusivas.

Intervalo longo e motorista que não para no ponto são maiores reclamações

O intervalo excessivo entre ônibus foi o campeão de reclamações feitas por usuários à SPTrans no ano passado, segundo dados levantados pela Folha.

Das quase 28 mil queixas feitas em 2019, 7.604 foram pelo longo tempo entre um veículo e outro da mesma linha.

Na sequência das reclamações estão motoristas que não param para embarque ou desembarque nos pontos previstos (6.243 reclamações). Falta de respeito com o público, descumprimento dos pontos iniciais e finais, velocidade incompatível, manobras bruscas e falta de manutenção dos veículos continuam na lista das principais queixas feitas à prefeitura.

As linhas que mais receberam reclamações foram a 607C/10, que vai do Jardim Miriam (zona sul, na divisa com o município de Diadema) ao Itaim Bibi (zona oeste); 4313/10, do terminal Cidade Tiradentes (zona leste) ao terminal Pq. D. Pedro II (centro) e 575A/10, da divisa com São Caetano ao metrô Tatuapé (zona leste).

Os paulistanos podem fazer esse tipo de queixa pelo telefone 156, pelo site sp156.prefeitura.sp.gov.br ou pelo aplicativo SP156.

A SPTrans diz que “todas as manifestações recebidas são encaminhadas para providências e correções” e que fiscaliza a regularidade das linhas pelos aparelhos de GPS instalados em toda a frota. “Quando constatado o descumprimento de viagens, a empresa responsável pelas linhas é multada.”

A empresa também diz que faz reuniões mensalmente com representantes das empresas de ônibus para tratar das linhas com mais reclamações. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.