Descrição de chapéu Alalaô

Tom Maior fala de preconceito homenageando personalidades negras

Escola levou para a avenida a contribuição da população afrodescendente na construção do Brasil

São Paulo

A Tom Maior foi a segunda escola de samba a entrar no Sambódromo do Anhembi no primeiro dia de desfiles do Grupo Especial do Carnaval de São Paulo.

Com o enredo "É Coisa de Preto", a escola da zona oeste da cidade de São Paulo levou para a Avenida a luta contra o preconceito racial no país. 

Através de homenagem a nomes de personalidades negras brasileiras , a Tom Maior buscou levar para o desfile a contribuição da população afrodescendente para a construção do Brasil.

A Tom Maior levou para o Sambódromo a importância dos negros e das negras na formação do Brasil - NELSON ALMEIDA / AFP

Machado de Assis, Chiquinha Gonzaga, Aleijadinho, Wilson Simonal, Milton Santos e Dona Ivone Lara foram algumas das pessoas negras citadas pela escola através de fantasias e alegorias.

Um dos destaques da agremiação foi a bateria que se apresentou vestida como Mussum e teve a sua frente a rainha Pamela Gomes, que representou a mulher negra e as sambistas das comunidades que participam do Carnaval.

Outros destaques foram os carros-alegóricos Akalanto de Olukum, que representou a diáspora do povo negro; e O Básico e a Erudição Negra, que apresentou na avenida um pouco da obra de Aleijadinho.  

Na ala das baianas, a Tom Maior levou fantasias com as fotos dos atores Grande Otelo e Ruth Cardoso.

O melhor resultado até hoje da escola foi o quinto lugar no Grupo Especial alcançado em 2008.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.