Casos confirmados de dengue no PR se aproximam de recorde histórico

Desde julho do ano passado, 37 pessoas já morreram com a doença no estado

Curitiba

Em meio a expectativa de aumento de pacientes de coronavírus, o Paraná tem outro desafio sanitário a enfrentar: a dengue. Último boletim da secretaria de saúde do estado informa que já foram confirmados 52.652 casos, com cerca de 30% dos municípios em estado de epidemia.

O aumento no número de notificações até março é de quase 1.000% em relação ao primeiro boletim do ano, divulgado em 07 de janeiro. A epidemia atinge principalmente a região norte e noroeste do estado Desde julho do ano passado até então, foram 37 mortes registradas.

A expectativa é que o Paraná ultrapasse o recorde histórico de casos de dengue na próxima semana: entre 2015 e 2016 foram cerca de 56.300, com 61 mortes.

A preocupação não é só sobre o número de casos, mas com o estado dos pacientes. Entre os quatro sorotipos da doença, a que tem se manifestado de forma recorrente no Paraná é a de tipo 2, mais grave que a comum, provocando até hemorragias.

Do último boletim, constam 763 registros de dengue com sinais de alarme e 74 casos graves.

​No próximo dia 21, está prevista uma grande mobilização de combate à doença em 60 municípios que apresentam os maiores índices de casos confirmados. A ação contará com a participação de 600 soldados do exército e 60 integrantes da defesa civil.

A secretaria estadual de saúde informou que, pela atual situação do coronavírus no estado não ser de transmissão local, não há indicação de cancelamento da atividade. O Paraná tem atualmente seis casos confirmados do novo vírus.

A regional de Londrina é a que mais apresenta registros de dengue no estado. Só no município, segundo maior do Paraná, são 6.046 casos de dengue confirmados. É possível que 13 mortes tenham sido ocasionadas pela doença na cidade, mas ainda não há confirmação oficial.

Com a incidência, a rotina na cidade mudou. Foram realizados oito mutirões até então, com recolhimento de 900 caminhões de lixo, somando 1.800 toneladas de material. Também foram instaladas mil armadilhas para controle do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

A prefeitura ainda instituiu uma multa para moradores de imóveis que tiverem focos do mosquito. A taxa varia de R$ 50 a R$ 300, de acordo com a incidência.

O secretário de saúde do município, Felipe Machado, ressalta que os mutirões de limpeza nos bairros estão mantidos até segunda ordem, mesmo com a chegada do coronavírus no estado.

Uma ação está prevista para ocorrer neste final de semana.“Não se exclui a possibilidade de contaminação [pelo coronavírus], mas, a princípio, ainda não vamos restringir nenhum plano de ação. Evidentemente que, se o cenário muda de uma hora para outra, isso será avaliado”, afirma.

O município também está contratando novos profissionais de saúde de forma emergencial e montou um centro exclusivo de tratamento da doença, com capacidade para 500 atendimentos diários. Desde segunda-feira (9) já foram 1.400 pacientes.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.