Descrição de chapéu Coronavírus

Como opção a cancelar aula, escolas testam de EAD a campanha antibeijo em SP

Por ora, ao menos três particulares interromperam atividades devido a casos de coronavírus

São Paulo

Diante da pandemia de coronavírus, algumas escolas particulares de São Paulo decidiram de forma pontual suspender as aulas. Por enquanto, porém, a maioria delas mantém as atividades junto a medidas preventivas que incluem de aulas a distância a álcool em gel na mão antes de virar a catraca.

A decisão de cancelar as atividades foi tomada até o momento pelo Vera Cruz, em Alto de Pinheiros (zona oeste), apenas para duas turmas de alunos com caso na família, pelo St. Paul's, no Jardim Paulistano, e pela Avenues, no Jardim Panorama (zona sul).

No caso do St. Paul's, que aplicará a medida a partir de segunda-feira (16), as aulas serão transferidas temporariamente para um ambiente virtual de aprendizagem.

Alunos do colégio Porto Seguro em atividade no computador
Alunos do colégio Porto Seguro em atividade no computador - Reinaldo Canato - 25.fev.2015/Folhapress

Outros colégios da capital que decidiram não suspender as aulas também vêm adotando alternativas ligadas à prevenção, que incluem o ensino a distância (EAD).

O Porto Seguro, com unidades no Morumbi e em Valinhos, irá testar uma modalidade de EAD no sábado (14), com 3.000 alunos assistindo de casa a aulas ministradas por meio de plataformas digitais.

A alternativa está sendo testada para o caso de alguma necessidade no futuro.

Também o Mater Dei, no Jardim Paulista, está se preparando para eventual necessidade de suspensão de atividades presenciais. Para isso, deve ser usada uma plataforma com a qual o colégio já trabalha.

O Santa Cruz, em Alto de Pinheiros, já tinha apliado medidas para melhorar a ventilação e agora reforçou o uso de álcool em gel. Funcionários têm passado o produto na mão de todo mundo que entra na escola.

Já o Santa Maria, na zona sul, suspendeu viagens de estudo do meio. O Dante Alighieri, nos Jardins, também cancelou algumas atividades extraclasse.

Em Higienópolis, o Rio Branco tem feito campanhas de prevenção, como a que pede aos alunos para reduzirem o contato, sob o slogan "Troque beijos e abraços por sorrisos".

Todas têm reforçado orientações de higiene e medidas como melhoria de ventilação das salas de aula. Nenhuma delas descarta de antemão suspender as aulas se houver orientação das autoridades nesse sentido —mas, por enquanto, não há.

O Bandeirantes, por exemplo divulgou nota segundo a qual está alinhado às ações do governo brasileiro para combater o coronavírus, assim como do Centro de Contingência do Coronavírus do estado São Paulo. "Até o momento, o colégio segue suas atividades normalmente, estando atento as novas orientações das autoridades públicas sobre o caso.”

Os colégios da rede pública devem seguir as orientações das autoridades oficiais de saúde, afirmaram em nota conjunta as secretarias estadual e municipal de Educação, assim como o Conselho Estadual de Educação e a Undime, que representa os secretários municipais.

Por enquanto, a única grande rede pública que suspendeu as aulas foi a do Distrito Federal, por decisão do governador Ibaneis Rocha (MDB).

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, criticou a medida. "Aí você suspende a aula, os alunos vão para as suas casas, pai e mãe tão trabalhando, com quem ficam as crianças? Com os avós. Quem é o maior grupo de risco? Os idosos”, declarou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.