PM destrói barracos em reintegração de posse com mil agentes em Manaus

Governo do AM tentou impedir presença da imprensa na ação nesta segunda-feira

Manaus

Eram 8h desta segunda-feira (2) quando a tropa de choque da PM entrou na rua Apocalipise, segundo uma placa escrita à mão. Com sprays de pimenta, os policias dispersaram dezenas de moradores que entoavam cânticos evangélicos, sem oferecer resistência física.

A ofensiva marcou o início da reintegração de posse da invasão Monte Horebe, onde vivem centenas de famílias pobres, inclusive imigrantes venezuelanos e haitianos. A operação mobilizou cerca de mil agentes de segurança e deve continuar ao longo dos próximos dias.

A ocupação da região começou há pelo menos cinco anos; hoje ela se transformou em um emaranhado de vielas e de casas precárias que se estende por alguns quilômetros. 

Moradora faz oração durante negociação para a entrada de policiais para reintegração de posse da invasão Monte Horebe, em Manaus
Moradora faz oração durante negociação para a entrada de policiais para reintegração de posse da invasão Monte Horebe, em Manaus - Edmar Barros/Folhapress

Nos últimos meses, a invasão tem avançado sobre a Reserva Adolpho Ducke. Com 10 mil hectares, é uma das maiores florestas urbanas do mundo e tem administração do Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia)

Vinte minutos antes do uso do spray de pimenta, o defensor público Rafael Barbosa —atrás de uma fila de PMs encapuzados com escudos e vestindo um colete à prova de balas— disse ao microfone: “Eu represento vocês”. 

Em seguida, apresentou a proposta do governo do Amazonas. Disse que trazia uma solução de moradia adequada e deu duas alternativas. Na primeira, os moradores permitiriam a entrada da PM e responderiam a um cadastramento de famílias, que depois receberiam propostas individuais para realocação.

Caso os moradores não aceitassem a entrada da PM, Barbosa disse que “não teria mais como segurar a ação”. Além disso, falou que as casas sem indícios de moradia seriam destruídas e que a energia elétrica da região seria cortada.

Revoltados com o ultimato, moradores passaram a exigir a presença da imprensa. Alguns acusavam o governo estadual de não ter assistido famílias que perderam as casas durante um incêndio que destruiu centenas de moradias no bairro Educandos, em dezembro de 2018. Alguma delas atualmente moram no Monte Horebe, afirmaram.

Só a reportagem da Folha estava presente no local, ao qual chegou após percorrer uma trilha pelo mato durante a madrugada. Os demais meios de comunicação foram barrados pela PM em bloqueios instalados a alguns quilômetros da reintegração. A alegação foi falta de segurança.

Logo após a dispersão dos moradores com spray, uma escavadeira começou a destruir barracos e casas, sob proteção dos PMs. Ao menos uma das casas não estava desocupada, afirmaram os moradores.

“Ele está arrasado. O Júlio trabalha no almoxarifado da empresa de ônibus Global Green e estava lá quando destruíram a casa dele”, disse o vizinho Raimundo Andrade, 53, que, por sua vez, foi obrigado a fechar seu pequeno comércio pela polícia. 

Vários moradores choravam em desespero. Uma mulher passou mal enquanto assistia à demolição e teve de ser levada de ambulância ao hospital Delphina Aziz.

A moradora Leuda Mota, 49, chora ao assistir na televisão reportagens sobre a reintegração de posse da invasão Monte Horebe
A moradora Leuda Mota, 49, chora ao assistir na televisão reportagens sobre a reintegração de posse da invasão Monte Horebe - Edmar Barros/Folhapress

Narcotráfico

Representantes do governo do Amazonas, comandado por Wilson Lima (PSC), afirmam que a ação visa também combater o narcotráfico na região. “Tem traficantes ainda lá dentro obrigando a população a reagir ao trabalho policial”, afirmou o secretário de Segurança Pública Louismar Bonates na manhã desta segunda, em entrevista ao site BNC.

A afirmação, recorrente na imprensa local, de que o Monte Horebe é reduto do narcotráfico revolta os moradores. “O secretário diz que nós somos bandidos. Pra eles, somos um tipo de negócio que não presta. Me pergunta qual o bairro da cidade que não tem traficante. Eu te respondo: nenhum”, afirma o ambulante Omar Barbosa, 49.

Morador do Monte Horebe há seis meses, ele divide o barraco de compensado de dois cômodos com a mulher, a nora e a neta de um ano. A água e a luz são “puxadas”, e o banheiro, no exterior da casa, é compartilhado com vizinhos. 

Barbosa ganha a vida vendendo bananas e batatas na frente de uma universidade, no centro do Manaus, um trajeto de 2h em ônibus. Diz que sai de casa às 5h e volta às 23h.

O ambulante conta que, no final de semana, o governo estadual enviou um caminhão de mudanças, mas ele recusou. “Ofereceram para deixar na esquina, no bueiro.” 

Não só os brasileiros enfrentam dificuldades. A região, no limite norte de Manaus, registra forte presença de haitianos e, mais recentemente, de venezuelanos. Um deles, que se identificou como Jesus, disse que investiu todo o dinheiro que trouxe da Venezuela para erguer um barraco no Monte Horebe.

“Estou tentando não chorar porque vou perder tudo. Vou pra onde? Dormir na praça com os outros venezuelanos?”, disse Jesus, que está desempregado. “Ninguém dá trabalho pra quem tem 55 anos.”  

Há também dezenas de haitianos, a maioria fugindo do terremoto que arrasou o país em 2010, explica o pastor Sthibert Norvilus. Em Manaus, trabalham nas ruas vendendo picolé, água e banana. “O Brasil não tem mais economia.” 

Aluguel social

Nesta segunda, o governo Lima anunciou que o governo pagará um auxílio-aluguel de R$ 600 aos moradores que serão retirados do Monte Horebe —promessa não citada pelo defensor público Barbosa aos moradores, que disse que a solução para as famílias seria caso a caso.

"Vamos pagar um valor de R$ 600 para essas famílias até que se encontre uma solução definitiva de moradia para elas, seja a doação de um lote, através de estudo se essa família tem ou não condição de fazer a construção de uma casa, seja por meio da entrega de um apartamento ou outra solução em consenso entre governo do estado e as famílias”, afirmou o governador, segundo nota à imprensa.

Apesar de estar fazendo levantamento do local há cerca de dez meses, o governo não sabe o número de famílias que serão despejadas. “Em final de semana, é uma população muito grande, porque as pessoas estão fazendo especulação imobiliária. Durante a semana, caiu muito”, justificou o secretário Bonates, que se recusou a dar uma estimativa. 

Lima também prometeu construir um complexo de segurança pública na região, que, assim como outras regiões da cidade, sofreu com uma sangrenta guerra entra as facções Família do Norte e Comando Vermelho, que passou a controlar o narcotráfico em Manaus no início deste ano.

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Amazonas lamentou a censura à imprensa. Afirmou que a opinião pública ficou "à mercê da versão oficial dos fatos” e que atitude do governo estadual “não reflete o perfil de uma sociedade democrática”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.