Descrição de chapéu Coronavírus

Vítima de Covid-19 era autoridade econômica, viajava muito e levava vida saudável

Luiz Arruda Villela, que foi economista do Banco Interamericano de Desenvolvimento, morreu aos 65 em Petrópolis, no dia 20

Santos

Um bonachão, de bom coração e generoso, que gostava muito da vida. Assim o professor André Arruda Villela definiu o irmão mais velho, Luiz Arruda Villela, 65, uma das nove vítimas do novo coronavírus no estado do Rio de Janeiro.

Luiz Arruda Villela retornou de viagem ao Egito no começo de março. Antes, fez escala nos Estados Unidos, onde visitou uma tia e seu marido de muitos anos, considerado por ele e pela família como um tio, o cientista Sérgio Trindade.

Membro do IPCC, painel climático da ONU premiado com o Nobel da Paz de 2007, Trindade morreu no último dia 18, aos 79, por complicações ocasionadas pela doença. O sobrinho morreu dois dias depois. A mulher de Luiz, Jaqueline, 67, também contraiu o novo coronavírus, foi internada, mas teve alta.

Luiz Villela e sua mulher, Jaqueline, em Portugal; ambos contraíram Covid-19, mas ela teve alta, enquanto ele morreu por no último dia 20, em Petrópolis; casal aparece com roupas de frio, sorridentes, tendo ao fundo um rio e uma ponte metálica
Luiz Villela e sua mulher, Jaqueline, em Portugal; ambos contraíram Covid-19, mas ela teve alta, enquanto ele morreu por no último dia 20, em Petrópolis - Arquivo Pessoal

Segundo mais velho de uma família de oito irmãos, Luiz conseguiu reunir-se com seis deles no Natal passado, em encontro na cidade de Petrópolis.

Lá, a família tem terreno há mais de 60 anos, e foi ao lado da casa dos pais, já mortos, que Luiz ergueu o imóvel onde pretendia passar a velhice ao lado da esposa Jaqueline. "Dizia que viveria mais 20 anos", contou à Folha o irmão caçula, André, 10 anos mais novo, e que seguiu os passos de Luiz na carreira de economista.

Luiz trabalhou por 15 anos no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington. Também foi assessor da Fazenda do Rio de Janeiro e deixou legado de produções acadêmicas. Costumava dar palestras e seminários sobre o assunto. Era considerado autoridade em tributação e finanças públicas.

Em palestra de junho de 2016, no Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, por exemplo, explicou que o gasto tributário ocorre quando o governo abre mão de uma receita, por meio de incentivo fiscal. "É preciso, porém, comparar o custo das renúncias fiscais e os benefícios efetivamente gerados por elas", sugeriu, na ocasião.

Em um desses seminários, há alguns anos, conheceu o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. Eles iriam se encontrar em Portugal neste mês para um seminário em Lisboa sobre tributação.

"Ele esteve em vários seminários nossos, era uma autoridade internacional na questão de tributação. Figura exemplar, muito cooperativo, reconhecido internacionalmente. Quando pedíamos indicação de finanças públicas, mesmo do exterior vinha indicação dele", contou o ministro à Folha.

No mês passado, Gilmar Mendes recebeu de um amigo em comum uma foto de Luiz passeando de balão no Egito com a esposa. Foi a última boa notícia que teve do economista. "Era um cara que levava uma vida normal. Viajava o tempo todo". Segundo a família, Villela conheceu mais de 50 países ao longo da vida, como Vietnã, Camboja, Marrocos, África do Sul, Japão e Índia.

Segundo a família, Luiz tinha saúde física e mental muito boas, com o costume de ler e fazer caminhadas. A secretaria de saúde do Rio disse à Folha que a vítima sofria de diabetes e hipertensão, mas seu irmão André nega que ele tivesse doenças preexistentes.

A viagem ao Egito era um sonho, que ele realizou em fevereiro ao lado de Jaqueline. Na volta, reclamou de tosse, mas achava que era uma gripe comum. Até brincou com a família que poderia estar com o novo coronavírus. Só que a tosse, e a febre que começou em seguida, não foram embora. Acabou internado. Morreu dias depois. “Foi muito rápido. Chocante a rapidez que a doença levou meu irmão”, lembrou André.

“Em um dia, soube que o Luiz estava no hospital, mas pensei que trataria e ficaria tudo ‘ok’. Também era um caso em que tinha todas as condições de se tratar ir a qualquer lugar, com boas e normais condições de saúde. Isso mostra que minimizar essa doença é uma grande irresponsabilidade”, alertou o ministro Gilmar Mendes.

Luiz Arruda Villela deixou dois filhos e quatro netos. Sua filha mais velha, que mora em Portugal, desabafou no Facebook após a morte do pai e a do tio-avô. Ao compartilhar publicação que contestava o discurso de Bolsonaro na última terça —quando o presidente novamente chamou a Covid-19 de "gripezinha"—, ela pediu que as pessoas se informem pelo site da Organização Mundial de Saúde (OMS).

"Eu perdi meu tio-avô, meu pai e quase perdi minha mãe. Eu não saio de casa desde 10 de março porque quero proteger meus filhos e meu marido. Se você é meu amigo ou familiar no Facebook e concorda com esse ser [Bolsonaro], por favor, faz o favor e se deleta do meu Facebook. Se eu ver uma postagem defendendo ele mais uma vez, chega", escreveu.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.