Descrição de chapéu Coronavírus

'Achei que estava melhor, de repente apaguei'; homem de 30 anos narra evolução de Covid

Publicitário conta como foi a progressão da doença desde os primeiros sintomas; 'o que passei não é passível de deboche'

São Paulo

O publicitário Lucas Miolla, 30, é um dos mais de 49 mil brasileiros que foram diagnosticados com Covid-19.

Ele, que mora sozinho em São Paulo, estava em regime de home office e isolado em seu apartamento desde o dia 18 de março. Lá, conseguiu manter a rotina de exercícios diários e saía apenas para ir ao mercado.

No dia 1º de abril, no entanto, começou a sentir sintomas relacionados ao coronavírus. A doença seria confirmada 12 dias após as primeiras dores no corpo.

O publicitário Lucas Miolla, 30, que se recuperou de coronavírus
O publicitário Lucas Miolla, 30, que se recuperou de coronavírus - Acervo Pessoal

À Folha Miolla conta como foram seus 20 dias de convívio com a doença, desde os primeiros sinais de Covid-19 até a alta do hospital.

Dia 1 (1º de abril)

Eu estava em casa trabalhando, como todos os últimos dias, e percebi que meus olhos começaram a arder e minhas costas, a doer. Para não dormir em cima no notebook, fui para a cama tirar um cochilo de meia hora.

Quando acordei, só 1h30 depois, estava completamente suado e com muita dor em todo o corpo. Resolvi avisar ao pessoal do trabalho que não estava me sentindo bem e encerrar o trabalho naquele dia.

Dia 2 a 5

Continuei trabalhando nos dias seguintes, mas cada vez com mais dificuldade. Tinha dores no corpo, sonolência de manhã, de tarde e de noite, uma febre leve e falta de apetite.

Comecei a tossir do mesmo jeito de quando se engole água na piscina. É aquela tosse de quando você quer captar ar, mas não consegue. Já não conseguia andar direito e tomar banho era um suplício, como um exercício físico que me cansava muito. Eu me apoiava na parede e torcia para o banho acabar logo.

Passei esses dias torcendo para ser só um resfriado, mas a fadiga continuava piorando, e eu dormia cada vez mais horas.

De repente, no quinto dia, sentia minha disposição melhor e achei que a doença estava passando.

Dia 6

Enquanto achava que estava melhorando, fui tomar um banho, ainda com dificuldade, e perdi a consciência. Fiquei caído, apoiado na parede e, quando despertei, sem saber quanto tempo havia se passado, fui para o sofá deitar.

Consegui ligar para o plano de saúde que, depois de fazer uma triagem por telefone, me recomendou ir ao pronto-socorro mais próximo de casa.

Assim que cheguei no hospital, me perguntaram em qual dia da doença eu estava. Quando informei que era o sexto, me disseram que era o pico da doença e já me colocaram no respirador.

Depois, fui deslocado em uma maca para fazer a tomografia, mas estava sonolento e não percebia direito o que estava acontecendo.

De madrugada, a médica plantonista me chamou e explicou que, na tomografia o pulmão estava com quadro pneumológico, com 20% de comprometimento. Nesse momento, ela informou que começaria a internação como se eu tivesse com coronavírus, mesmo não tendo saído o resultado do teste.

Dia 7 a 9

Nesse período de internação, começou uma piora terrível. Não conseguia mais andar, só me deslocava de cadeira de rodas. Também só respirava com ajuda do respirador e não comia nada.

Não sentia a respiração afobada, mas respirava fraquinho.

O que começou depois foi o que mais me marcou. O hospital teve um tratamento excelente, tive o privilégio de a empresa em que eu trabalho fornecer um bom plano de saúde e, consequentemente, um hospital com uma estrutura legal, então o acolhimento foi ótimo.

Mas todos os profissionais se vestiam como astronautas para evitar qualquer tipo de contágio, se protegendo da cabeça aos pés. Eu não via o rosto de ninguém, não tinha contato com ninguém, não abracei ninguém por praticamente três semanas. E isso tudo acontecendo enquanto eu respirava mal e não tinha certeza se ia acordar no outro dia.

Dia 10 e 11

Fui apresentando sinais de melhora e os médicos sugeriram tirar o respirador, mas sinalizei que ainda precisava dele. No dia seguinte, quando sugeriram de novo, topei e foi tranquilo. Conseguia passar o dia sem o respirador e usava quando me sentia muito cansado no fim do dia.

Dia 12

Nesse dia, recebi a confirmação do teste de que eu tinha Covid-19. Foi também meu último dia de internação, quando voltei para casa.

Dia 13 a 17

Consegui retornar já melhor, mas ainda com alguma dificuldade de respirar. Eu estava realmente receoso de não ter o fôlego de antes. Sou muito ativo, gosto de fazer as coisas ao ar livre, de sentir o ar. E eu tinha muito medo de não conseguir voltar a fazer essas coisas, deu um receio enorme de ter alguma sequela.

Nos dias 16 e 17, comecei a conseguir tomar um sol e a andar um pouco melhor.

Dia 18

Nesse que foi o primeiro final de semana em casa, consegui tomar um banho em pé pela primeira vez desde o começo dos sintomas. No sábado, respirei e senti o ar entrando completamente.

Também senti muita revolta nesse período. Meu pai é porteiro, tem 65 anos, e minha mãe é aposentada, também com essa idade. Penso com muito carinho neles. Se eu, um cara de 30 anos que estava tão bem de saúde sentiu isso… O que eu passei e meus pais podem passar não é passível de deboche.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.