Descrição de chapéu Coronavírus

Sem diaristas, famílias assumem tarefas domésticas e abolem ferro de passar

Cerca de 40% continuaram pagando trabalhadoras para que elas pudessem ficar em casa, aponta levantamento

São Paulo

Empurradas pela pandemia a assumir tarefas antes delegadas a empregadas, cozinheiras, faxineiras ou babás, famílias brasileiras de classe média e alta têm sentido o repuxo dessa economia invisível.

Cleide passa pano na casa duas vezes por dia e já tem três aspiradores. Mayra descobriu que a demanda na cozinha, com três refeições diárias, parece não ter fim. Manuela decidiu submeter a família a um regime de comida congelada. Joana baixou o grau de exigência com limpeza e arrumação, e passou a usar mais vezes as mesmas roupas. Marco comprou um robô aspirador.

E todos eles aboliram a prática de passar as roupas —algo que, ao menos por ora, parece ter virado coisa do Brasil pré-coronavírus.

"Ter alguém que faça essas coisas pra você é um baita privilégio", conclui a pediatra Cleide Mira Choi, 37, que dispensou a babá dos dois filhos e a faxineira, com salários adiantados, logo que foram anunciadas as medidas de prevenção à Covid-19. Em seguida, ela chegou a ter crises de choro quando a casa ficava muito bagunçada. "Uma louça a mais às vezes era um gatilho", revela.

Em pouco tempo, Cleide perceberia que as tarefas para as quais julgava suas funcionárias "meio lentas" são, na verdade, bastante trabalhosas mesmo. "Hoje eu vejo como as coisas demoram!", admite.

A pediatra Cleide Mira Choi, 37, que dispensou a babá e a faxineira com salários adiantados
A pediatra Cleide Mira Choi, 37, que dispensou a babá e a faxineira com salários adiantados - Mathilde Missioneiro/Folhapress

A médica ainda descobriria um novo e inusitado entretenimento: "Adoro limpar um chão. Os aspiradores estão a todo vapor", brinca.

Antes de determinado o distanciamento social por causa da Covid-19, 11% de famílias brasileiras terceirizavam todo ou parte de seus afazeres domésticos a trabalhadores mensalistas ou diaristas.

De acordo com dados de pesquisa do Instituto Locomotiva, 70% delas deixaram de ter, literalmente, essas mãos para resolverem as tarefas da casa após o início da pandemia.

Parte seguiu pagando salários ou diárias para que as trabalhadoras, como requerem as autoridades sanitárias, pudessem ficar em casa (39%). Parte simplesmente dispensou as funcionárias (31%), que ficaram sem renda.

"O processo de confinamento provocou uma mudança radical nos hábitos daqueles que deixaram de contar com o auxílio de trabalhadoras domésticas. Muitos brasileiros foram apresentados pela primeira vez às rotinas já tão conhecidas da grande maioria da população", explica Renato Meirelles, presidente do instituto.

Outro levantamento conduzido por ele mapeou as novas práticas, antes inexistentes, daqueles que, de repente, ficaram sem serviço doméstico: 25% passaram a lavar louça, 49% começaram a lavar as próprias roupas e 21% tiveram de se entender com o fogão.

Foi o caso da diretora de marketing Mayra Attuy, 33. "A parte da cozinha me impressionou. A louça nunca acaba! E, quando acaba, você já começa a planejar a refeição seguinte."

Para ela, ainda que haja divisão entre ela e o marido na execução do trabalho doméstico, a carga mental do planejamento dessas tarefas ainda recai mais sobre a mulher. "Lembrar que tem de lavar roupa, tomar a iniciativa de limpar a casa. Tem sempre mais uma coisa em que você tem de pensar."

Segundo dados de 2019 do IBGE, mulheres dedicavam 18,5 horas semanais, em média, aos afazeres domésticos e aos cuidados com as pessoas, ou 80% mais tempo do que as 10,3 horas semanais médias dos homens.

Ainda não se sabe se e como essa divisão será alterada a partir das quarentenas, mas o estudo do Locomotiva aponta que 36% dos que ficaram sem serviços domésticos começaram a dividir as tarefas dentro de casa, algo que não faziam antes. Outros 23% já partilhavam dessas tarefas, mas o estão fazendo com maior frequência ou intensidade desde o início da pandemia.

"Nesse contexto de isolamento, as mulheres estão exercendo o limite de sua capacidade 'multitasking'", afirma a consultora de negócios Manuela (nome fictício), 35, usando expressão em inglês para designar o desempenho de múltiplas funções simultaneamente. "A verdade é que a liderança intelectual da casa ainda mora com a mulher e, agora, a parte operacional voltou pra ela", avalia.

Com uma criança de três anos e um bebê de 8 meses em casa, Manuela diz que não tinha alternativa a não ser manter a babá trabalhando, como fizeram, segundo o estudo do Instituto Locomotiva, 30% das famílias brasileiras que contratavam trabalho doméstico antes da pandemia.

A Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas tem alertado que exigir que mensalistas e diaristas se desloquem ao trabalho é arriscá-las e a suas famílias. E que muitas acabam concordando, mesmo com medo, porque não querem ficar sem trabalho num momento como este.

"Estamos num país em que existe mão de obra disponível a preço de banana, e o sistema está todo desenhado a partir disso. Na Europa, as famílias acumulam os afazeres domésticos porque não existe trabalho que não tem hora para acabar", argumenta. "Minha carreira, por exemplo, é tão demandante que, ao final de um dia de trabalho, ou eu limpo a privada ou eu durmo as 5 ou 6 horas que me restam."

Mayra conta que a nova realidade doméstica, trazida pela pandemia de coronavírus, em que passou a desempenhar funções que antes eram da empregada, despertou-lhe a incômoda sensação de ser, em condições normais, "meio madame". "Também me sinto mal porque esse tipo de relação [patroa/empregada] parece derivar da nossa herança escravagista", diz.

O Brasil tem 6,5 milhões de trabalhadores domésticos, segundo dados do IBGE referentes a 2018: 92% deles são mulheres e, destas, 63% são negras.

Filho de uma ex-empregada doméstica, que começou a trabalhar aos 9 anos de idade, o roteirista Marco Aurélio Gois, 44, cresceu ajudando a família nas tarefas da casa. "Nunca tivemos empregada. Eu sempre soube que não é fácil, e que tem muito patrão filho da puta por aí", diz ele.

"Outro dia a vizinha da minha mãe veio querer que ela pagasse pra faxineira a mesma mixaria que ela, a vizinha, estava oferecendo. Minha mãe, obviamente, não aceitou", conta ele, para quem muita gente aceita ganhar pouco porque sabe que tem gente pra fazer o serviço por menos. "Quem contrata sabe disso também."

Gois pediu que a faxineira, a quem segue pagando, ficasse em casa. Agora divide os afazeres da casa e os cuidados com o cachorro Rondeli e os gatos Açaí e Farofa com sua mulher, Ana Carlota, e com um robô aspirador recém-adquirido, apelidado de Róbson.

De acordo com o Google Trends, as buscas por informações sobre robôs aspiradores quadruplicaram durante a pandemia. "Ele resolve bem a limpeza: reduziu muito a quantidade de poeira e pelo de gato pela casa", conta o roteirista, que já tinha máquina de lavar louça antes da pandemia. "Melhor aquisição", resume.

Joana (nome ficticio), 37, aguarda "ansiosamente" a chegada do seu robozinho aspirador, com o qual pretende compensar os quatro dias em que não tem o serviço doméstico, antes diário. A economista mãe de duas crianças, de 5 e 8 anos, tem pago um táxi para trazer e levar a funcionária para sua casa uma vez por semana.

"Eu tenho envolvido as crianças em algumas tarefas, como uma questão de aprendizado. Mas é algo que acaba me dando mais trabalho, porque tenho de monitorar de perto", explica. "Confesso que não faço mais disso porque não tenho tempo nem paciência."

O contexto de confinamento, com o uso total da casa, tem se mostrado um desafio até para profissionais do ramo. A produção de bagunça e sujeira dentro de casa cresceu na mesma proporção do tempo que as pessoas agora passam dentro dela, e que antes era dividido com o trabalho, a rua e a escola.

"Notei que o serviço na minha própria casa aumentou muito", constatou a diarista Valéria Torres, 34, que teve a renda mantida para ficar em casa com os dois filhos e o marido, agora sem trabalho. "Eu achava que as faxinas fora é que me deixavam tão cansada, mas estou exausta agora, com todo mundo em casa sujando tudo o tempo todo."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.