Descrição de chapéu Coronavírus

Cidades do interior celebram reabertura gradual da economia

Regiões de Franca, Ribeirão Preto e Campinas, entre outras, estão em fase que permite reabrir comércio

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Ribeirão Preto

Franca (a 400 km de São Paulo) já tinha adotado flexibilização no funcionamento de algumas atividades econômicas em meio à pandemia do novo coronavírus, mas a partir do dia 1º poderá abrir mais seu comércio e setores ligados a serviços.

Ela e as cidades de sua região administrativa estão inseridas na fase 2 de um mapa que vai de 1 a 5 e que foi divulgado nesta quarta-feira (27) pelo governo de São Paulo como forma de reabertura gradual da economia.

Sem escolas, a nova fase da quarentena em São Paulo, em vigor entre os dias 1º e 15 de junho, prevê categorias graduais de isolamento, do mais ao menos rígido (1 - vermelha, 2 - laranja, 3 - amarela, 4 - verde e 5 - azul). Os critérios para estabelecer a retomada seguem balizas de saúde e economia.

Bloqueio parcial em rua de Campinas (SP) para orientar sobre isolamento social
Bloqueio parcial em rua de Campinas (SP) para orientar sobre isolamento social - Fernanda Sunega/Prefeitura de Campinas/Divulgação

A cidade da região nordeste de São Paulo, com 99 casos confirmados da Covid-19 e 3 mortes, está na fase 2 - laranja e tem liberação para o funcionamento de atividades imobiliárias, concessionárias de veículos e escritórios, que poderão atender com horário reduzido e com limitação de consumidores no local.

“Se tomarmos todos os cuidados, um protege o outro. A abertura vai ser boa principalmente para os que não têm nenhum outro tipo de renda”, disse o comerciante francano José Cláudio Araújo, que é aposentado e disse ter sofrido menos durante o fechamento total em relação a outros colegas de profissão.

Bares e restaurantes deverão permanecer fechados, assim como espaços públicos, salões de beleza, academias, teatros, cinemas e eventos com aglomerações, inclusive esportivos.

Franca está na mesma situação de regiões como as de Ribeirão Preto, Campinas, São José do Rio Preto, Araçatuba, Marília e Sorocaba, todas na fase 2 - laranja. Nos shopping centers e comércio de rua dessas cidades, a operação está permitida, também com limitação da capacidade de pessoas e horário limitado.

Segundo o governo paulista, municípios que estiverem nas fases 2, 3 e 4 poderão flexibilizar determinados setores por meio de decretos, observando também os planos regionais. Entre os pré-requisitos para a flexibilização estão adesão aos protocolos de testagem.

O prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (PSDB), disse que o plano de retomada apresentado pelo governo do estado é “bastante sensato”.

“Ele vai ao encontro, de fato, de uma retomada consciente, como eu havia citado em momentos anteriores, e me parece bastante razoável a razão do equilíbrio entre a disponibilidade de equipamentos e a infraestrutura assistencial com a quantidade de testes e ao mesmo tempo de aumento ou diminuição de casos conforme cada região. Agora caberá aos prefeitos a ação bastante rigorosa na adoção dos protocolos para que nós possamos avançar e, se possível, em nenhum momento ter que pisar no freio para qualquer tipo de retrocesso”, disse o prefeito.

Em caso de piora dos indicadores, as cidades poderão ver as restrições serem ampliadas, segundo o governador João Doria (PSDB).

“Se tivermos de dar um passo atrás, retomar medidas, não hesitaremos em fazê-lo para proteger vidas. Não temos compromisso com o erro, mas com a saúde, com a vida dos brasileiros de São Paulo”, disse.

Nas regiões de Barretos, Presidente Prudente, Bauru e Central (Araraquara/São Carlos), que estão na fase 3, está permitida a abertura total de atividades imobiliárias, concessionárias e escritórios, e elas terão permissão com restrições para abrir bares, restaurantes, comércio de rua, shopping centers e salões de beleza.

Apesar das restrições, elas devem ser mais flexíveis em comparação com as adotadas nas regiões na fase 2.

Nesta terça-feira (26) prefeitos da macrorregião de Bauru se reuniram para implantar um pacto regional sobre a Covid-19. Em redes sociais, o prefeito de Bauru, Clodoaldo Gazzetta (PSDB), disse que o modelo será fundamental para proteger a vida e as atividades econômicas dos municípios.

Uma das premissas para a decisão tomada pelo governo do estado, segundo o secretário Marco Vinholi (Desenvolvimento Regional), é a autonomia e o compartilhamento de decisões com os gestores municipais.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.