Descrição de chapéu Coronavírus

Médicos de hospital de campanha em SP desistem de plantões por causa de estrutura escassa

Profissionais reclamam de falta de equipamentos de proteção no hospital do Anhembi

São Paulo

Profissionais da área da saúde que trabalham no Hospital de Campanha do Anhembi, montado na zona norte de São Paulo para atender vítimas da Covid-19, têm desistido de plantões já contratados por falta de equipamentos de proteção e pela carga excessiva de trabalho, segundo relataram à Folha.

A reportagem conversou com médicos e um enfermeiro que trabalham na linha de frente no atendimento às vítimas do novo coronavírus. Até esta segunda-feira (25), 24 pacientes já haviam morrido no hospital, construído para atender os casos de baixa e média complexidade.

A prefeitura e as operadoras responsáveis pela gestão do espaço negam que faltem insumos e espaço.

O hospital foi montado com 1.800 leitos no Complexo do Anhembi, pavilhão que costuma receber eventos de negócios, shows e apresentações esportivas. A Prefeitura de São Paulo contratou duas empresas para administrar o espaço, a Iabas e a SPDM, organizações que gerem equipamentos de saúde da rede pública.

Além do Anhembi, a prefeitura também adaptou o Estádio do Pacaembu para receber pacientes, que é administrado pelo hospital Albert Einstein, com 200 leitos.

Os dois hospitais funcionam no chamado regime de portas fechadas. Não é possível entrar no local alegando que está com sintomas de coronavírus. É preciso ir a uma outra unidade de saúde que, se for o caso, encaminha o paciente para lá.

No Anhembi, porém, os médicos relataram receber também pessoas com suspeita da contaminação mas cujo exame ainda não saiu. "Se a pessoa estava com falta de ar por qualquer outro motivo, com certeza ela é contaminada lá", disse uma médica à reportagem.

Os profissionais com quem a reportagem falou pedem para não serem identificados por medo de retaliação nos contratos com as operadoras.

Uma das principais reclamações é sobre a disponibilidade de equipamentos de proteção individual: alegam que aventais fornecidos não seguem os padrões por terem uma gramatura abaixo da recomendada e, como não são impermeáveis, acabam colocando os trabalhadores em risco.

A estrutura do complexo também é alvo de críticas. Houve um episódio de falta d'água, em 25 de abril, em que não foi possível dar banho nos doentes nem completar a limpeza do espaço. Além disso, as luzes não se apagam, e os pacientes não percebem o passar das horas nem sabem que dia é, relatam.

O ambiente onde os trabalhadores descansam não costuma apagar as luzes, mesmo em plantões noturnos. Eles reclamam que os espaços são insuficientes, e que por vezes precisam dividir colchões, o que facilita a contaminação, ou dormir em cadeiras.

Também afirmam que, às vezes, cada médico fica com mais de 15 pacientes sob seus cuidados, e que precisam assumir funções burocráticas, o que sobrecarrega os trabalhos e impede um atendimento mais atento.

Tudo isso fez com que os médicos começassem a desistir de trabalhar lá. "Já passei alguns para frente, pela quantidade de problema que deu. E não sei se vou pegar mais em junho. Tem muita gente boa se esforçando muito, dando o máximo, mas, nessas condições, não tem como trabalhar, tanto pela parte física quanto pela parte emocional", disse uma médica à reportagem.

A Folha teve acesso às mensagens de um grupo de médicos em que alguns deles perguntavam se colegas poderiam assumir alguns de seus plantões.

Os trabalhadores se reuniram e enviaram uma carta ao Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), em que alertavam, entre outras coisas, para os problemas no avental, o número de pacientes por médico e a falta d'água.

Victor Vilela, diretor no sindicato, confirma que a entidade vem recebendo denúncias e diz que acionou o Ministério Público do Trabalho. No dia 12 de maio, o sindicato alertou a prefeitura para os problemas em uma mesa técnica montada para discutir as ações de combate à doença.

"O principal limitante é a questão dos equipamentos. A gente não chegou à situação de outros estados, porque São Paulo tem uma estrutura melhor, mas, nesse ritmo, se não tivermos condições adequadas para trabalhar, a situação vai piorar", afirma.

Operadoras negam falta de equipamento e espaço inadequado

Em resposta aos questionamentos, a prefeitura afirmou que há pelo menos 1 médico para cada 10 pacientes, conforme preconica o Ministério da Saúde, e que a carga de trabalho é condizente com o planejado.

Diz ainda que o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) esteve no hospital na semana passada, quando conversou com médicos, teve acesso ao pavilhão e verificou fluxos e protocolos de atendimento. A secretaria da Saúde também disse que os conselhos regional e federal de enfermagem estiveram no local e se colocou à disposição da reportagem para uma futura visita ao local.

"A vistoria constatou que todos os procedimentos estão sendo tomados dentro dos parâmetros exigidos pelas autoridades em saúde", diz a nota da prefeitura . "Os profissionais confirmaram ao Cremesp que se sentem seguros com os EPIs fornecidos."

Segundo a nota, o Hospital de Campanha do Anhembi, desde o início da operação, recebeu 81 mil máscaras cirúrgicas, 150 mil pares de luvas, 46 mil aventais , 40 mil toucas e cerca de 20 mil macacões de proteção impermeáveis e 5.000 máscaras especiais com válvula e purificação de ar, de forma que todos os profissionais fossem contemplados com equipamentos condizentes.

Em nota enviada à reportagem, a SPDM afirmou que não procedem as afirmações dos médicos. "Não há falta de EPIs na unidade e todos os profissionais têm acesso aos equipamentos de proteção individual, dentro sim dos padrões exigidos pela Anvisa e são disponibilizados conforme a necessidade de cada profissional. Inclusive aventais impermeáveis e também macacões impermeáveis Tyrek."

A organização social diz que duas salas de estar foram disponibilizadas para o conforto com mesas, cadeiras, poltronas, sofás e bomboniere, além de beliche, frigobar e poltronas.A lém disso, alega que as áreas de internação são divididas entre pacientes com suspeita e pacientes com diagnóstico já confirmados.

A Iabas afirmou que todos os trabalhadores "recebem os EPIs necessários e adequados para o trabalho" e que a proporção atual é de oito pacientes por médico nos leitos de estabilização. Nos leitos de baixa complexidade, são de 18 a 20 pacientes por médico.

As empresas disseram ainda que, como o hospital funciona em uma estrutura adaptada, não é possível diminuir a iluminação do pavilhão. A Iabas afirmou que mantém uma rede de doações de itens como máscaras de dormir e protetores auriculares para os pacientes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.