Descrição de chapéu Obituário Marcos Fernando de Oliveira Moraes (1936 - 2020)

Mortes: Médico, foi um dos expoentes brasileiros no combate ao câncer

Por oito anos, Marcos Fernando de Oliveira Moraes dirigiu o Instituto Nacional de Câncer

São Paulo

Palmeiras dos Índios (AL) deu de presente ao Brasil um dos maiores expoentes das políticas de combate ao câncer do país.

O cirurgião oncológico Marcos Fernando de Oliveira Moraes nasceu em uma família humilde.
Aos 12 anos, mudou-se para o Rio de Janeiro e conquistou uma bolsa de estudos num colégio renomado.

A paixão pela medicina o levou à Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Após se especializar em cirurgia, complementou sua formação nos Estados Unidos.

De volta ao Brasil, chefiou o Departamento de Cirurgia da Universidade Gama Filho, onde ministrou aulas.

Fundou a SBCO (Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica) e a American Trauma Society, em Chicago (EUA), e deu sua contribuição a outras instituições.

Com seus feitos, Marcos Moraes conquistou o respeito das comunidades médica e científica.
Por oito anos, dirigiu o Inca (Instituto Nacional de Câncer). Presidiu a Academia Nacional de Medicina de 2007 a 2013. Criou, em 1991, a Fundação do Câncer.

Marcos Fernando de Oliveira Moraes (1936-2020)
Marcos Fernando de Oliveira Moraes (1936-2020) - Arquivo pessoal

“Nascia assim, sob o comando de Marcos Moraes, a fase de maior celeridade da história do Inca, quando foram estabelecidas as estratégias mais eficazes e ágeis de controle do câncer no país”, afirma o cirurgião oncológico e presidente da SBCO, Alexandre Ferreira Oliveira.

Seu nome é um dos maiores do mundo na elaboração e execução da política de combate ao tabagismo.

Durante sua gestão, ampliaram-se ações focadas em diagnóstico precoce do câncer. Apoiou pesquisas contra a doença, com a criação da Fundação Ary Frauzino, para apoiar financeiramente o Inca.

“Ele era meu amigo pessoal e muito importante para mim. Meu conselheiro. Trocávamos muitas informações profissionais. Figura ímpar, deixou um legado para a oncologia brasileira”, diz Ademar Lopes, cirurgião oncológico e vice-presidente do A.C.Camargo Cancer Center.

No extenso currículo de Marcos Fernando também constam a presidência da Sociedade Latino-Americana de Diretores de Institutos Nacionais de Câncer e da Associação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Combate ao Câncer, a coordenação do Programa Interinstitucional de Pesquisa, Ensino e Extensão na Biologia do Câncer da Universidade Federal do Rio de Janeiro e o prêmio de excelência em pesquisa concedido pela Kroc Foundation da Califórnia (EUA).

Em 2010, venceu a primeira edição do Prêmio Octavio Frias de Oliveira na categoria Personalidade de Destaque.

A láurea, criada em homenagem ao então publisher da Folha, morto em 2007, busca reconhecer e estimular contribuições de pesquisadores brasileiros e de outros profissionais que atuam na área oncológica.


Marcos Fernando de Oliveira Moraes morreu dia 4 de maio, de causas naturais. Deixa duas irmãs, dois filhos e dois netos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.