Descrição de chapéu Coronavírus

SP quer contratar 4.500 leitos da rede privada para tratar coronavírus

Expectativa de Doria é que todas as vagas sejam preenchidas até 11 de junho

São Paulo

O estado de São Paulo abriu nesta terça-feira (20) um chamamento para a contratação de 4.500 leitos da rede privada pela rede pública para tratamento de coronavírus.

Segundo o governador João Doria (PSDB), destes, 1.500 serão de terapia intensiva e um total de R$ 594 milhões será investido.

O chamamento foi publicado no Diário Oficial nesta terça, segundo Doria, que afirmou ainda que sua expectativa é que todas as vagas sejam preenchidas até o dia 11 de junho.

Equipe médica trabalha no no Instituto de Infectologia Emíio Ribas - Eduardo Anizelli - 16.abr.20/Folhapress

"Agora vem uma negociação de mercado, caso a caso, hospital a hospital, e ai ao final teremos um balanço de quantos leitos nós teremos a disposição", afirmou o secretário de saúde, José Henrique Germann.

Segundo o secretário, já há conversas em cursos com instituições privadas e filantrópicas e a intenção é que as unidades sejam disponibilizadas tanto na capital quanto em outras regiões do estado.

A diretora clínica do Hospital das Clínicas, Eloisa Bonfá, também anunciou que sua instituição chegou à marca de mil pacientes que receberam alta e retornaram às suas casas e que a rede conta com 275 leitos de UTI para tratamento da Covid-19.

A expectativa do governo é que este número chegue a 400 até o final do mês.

São Paulo também inaugurou seu quarto hospital de campanha, o de Heliópolis, a maior favela da cidade.

“Estamos abrindo mais um hospital de campanha, numa região extremamente importante do ponto de vista da assistência”, disse Germann.

A estrutura terá 200 leitos, sendo 24 de UTI. Somados com os hospitais também de campanha do Pacaembu, do Ibirapuera e do Anhembi, a cidade passa dos 2.400 leitos para tratamento do coronavírus em estruturas provisórias.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.