Descrição de chapéu Coronavírus

Trânsito em direção ao litoral de SP aumenta no feriado

Crescimento no fluxo de turistas preocupa prefeitos das cidades da Baixada Santista

São Paulo

O feriado do Dia do Trabalho teve aumento no fluxo de veículos nas estradas que ligam São Paulo às cidades do litoral em relação ao movimento de carros no Tiradentes, no dia 21 abril.

Dados da rodovia Rio-Santos, por exemplo, indicam aumento de, pelo menos, 25% no fluxo de veículos. Entre os dias 17 e 18 de abril, que antecederam o feriado de Tiradentes, 35 mil carros passaram pelo local. Entre 18h de quinta (30) e 18h desta sexta (1), foram cerca de 45 mil veículos.

A Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) vai apresentar na segunda-feira (4) os dados consolidados da Rio-Santos e das demais estradas, mas o secretário de Logística e Transportes, João Octaviano Machado Neto, afirmou à Folha que o fluxo na Rio-Santos indica uma tendência de aumento.

Na noite de quinta-feira (30), véspera do feriado, a entrada de Riveira de São Lourenço, em Bertioga, litoral sul de São Paulo, registrou congestionamento de carros. Em nota, a prefeitura disse que intensificou a fiscalização do controle de acesso de veículos ao município a partir desta sexta.

"Lamentavelmente nós já tínhamos tido um aumento na comparação entre o feriado de Páscoa e o feriado de Tiradentes e tivemos um novo aumento agora. As pessoas precisam entender que nós estamos em quarentena e não em férias. Não podemos ter esse fluxo em direção ao litoral", afirmou Neto.

O secretário afirma que deverá reforçar as campanhas de conscientização sobre a importância de manter a quarentena. "Nós ainda estamos fechando os dados de todas as estradas, mas os números da Rio-Santos indicam que houve um grande aumento no deslocamento das pessoas rumo ao litoral. Nós vamos precisar rever as orientações para as pessoas entenderem a necessidade de ficar em casa."

O crescimento no fluxo de veículos de turistas para as cidades do litoral levou os nove prefeitos das cidades da Baixada Santista a pedir ao governo do estado bloqueios do sistema Anchieta-Imigrantes na descida da serra.

No pedido, apenas moradores e prestadores de serviços essenciais poderiam ter acesso às rodovias. Os prefeitos ressaltam que as cidades da Baixada Santista possuem um número elevado de cidadãos acima dos 60 anos, que estão dentro do grupo de risco em meio à pandemia do novo coronavírus --em Santos, por exemplos, eles representam mais de 20% da população.

Machado Neto, no entanto, afirma que não será possível aceitar esse pedido. "Não há uma condição operacional de se fazer isso. Além do que nós temos a carga circulando a partir do porto de Santos e qualquer situação que pudesse prejudicar isso poderia ser muito danoso", disse.

Em nota, o governo de São Paulo confirma que não poderá estabelecer medidas restritivas. ​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.