Descrição de chapéu Coronavírus

Com diminuição da fila por vaga de UTI, Pernambuco anuncia reabertura gradual

A partir do dia 8 de junho, construção civil e comércio atacadista voltam a funcionar

Recife

Após 15 dias da chamada quarentena rígida contra o novo coronavírus em Pernambuco, com restrição de circulação de carros e de pessoas no Recife e em quatro cidades da região metropolitana, o governador Paulo Câmara (PSB) anunciou na segunda-feira (1) a retomada gradual das atividades econômicas.

Pernambuco foi um dos primeiros estados do Brasil a adotar medidas restritivas. O primeiro decreto, com regulamentação para evitar aglomerações, foi assinado no dia 13 de março.

A partir do dia 8 de junho, serão liberadas obras de construção civil, desde que funcionem com 50% da carga de trabalhadores, e o comércio atacadista, das 9h às 18h.

O protocolo de distanciamento social, higiene e monitoramento deve ser cumprido. Praias, parques e calçadões permanecem fechados.

No dia 15 de junho, salões de beleza, barbearias e serviços de estética vão ser liberados para atendimento de um cliente por vez. Lojas de varejo de bairro que tiverem até 200 m2 estarão autorizadas a retomarem a atividade a partir desse dia.

Shoppings centers, centros comerciais e praças de alimentação poderão funcionar apenas para entrega de produtos nos pontos de coleta, sempre no horário das 12h às 18h, também a partir do dia 15 de junho.

Os treinos dos times de futebol da capital e do interior estarão liberados a partir do dia 15. Os jogos, mesmo sem a presença de público, ainda não têm data definida.

O planto de reabertura gradual, de acordo com o governo, só será finalizado totalmente após 11 semanas. Na tarde desta segunda-feira, autoridades sanitárias estaduais informaram que o momento aponta para a tendência de uma estabilização da curva dos casos da Covid-19 em Pernambuco.

O patamar, porém, ainda é bastante elevado. Três dados básicos para decisão de colocar em prática o plano de flexibilização foram analisados durante 22 semanas epidemiológicas: número de casos da doença, quantidade de óbitos e pressão no sistema de saúde por demanda de vagas de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e de enfermaria.

Pernambuco ocupa a quinta colocação em número de mortes em decorrência do novo coronavírus. Até esta segunda-feira, havia o registro de 2.875 óbitos. São 34.900 casos confirmados da doença no estado.

Nas últimas semanas, a SES (Secretaria Estadual de Saúde) registrou uma diminuição na fila por uma vaga de UTI para pacientes com síndrome respiratória aguda grave.

Na manhã desta segunda-feira, 78 pessoas, incluindo seis crianças, esperavam por um leito de UTI na rede pública de Pernambuco. Há uma semana, 189 doentes aguardavam a vaga. No início de maio, havia 256 pacientes, conforme a Folha mostrou.

A quarentena mais rígida, com rodízio de veículos e permissão para a população sair de casa apenas para realizar atividades essenciais, teve início no dia 16 de maio e terminou no domingo passado (31).

No primeiro dia sem "lockdown", foram registradas aglomerações, sobretudo nos transportes públicos. As taxas de isolamento social ficaram abaixo dos 50% no Recife (47,3%), Olinda (47,1%), São Lourenço da Mata (44,3%), Camaragibe (44,3%) e Jaboatão dos Guararapes (43,9%).

O governo de Pernambuco destacou que o restabelecimento escalonado das atividades econômicas e a circulação de pessoas nas próximas semanas serão avaliados diariamente.

Há um alerta de que o cumprimento do cronograma de reabertura depende do comportamento das curvas de contaminação e de mortes provocadas pelo novo coronavírus.

“Os dados da saúde mostram que a epidemia teve uma estabilização em Pernambuco. Mas esta não é uma condição estática, obedece a uma dinâmica com muitas variáveis”, disse o governador Paulo Câmara (PSB).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.