Com governador alvo da PF, Pará lidera casos da Covid-19 na Amazônia

São 60 mil casos, atrás de São Paulo, Rio e Ceará; mesmo com alta taxa, Belém reabriu comércio

Manaus

Com o governador Helder Barbalho entre os alvos de uma operação da Polícia Federal que investiga compra de respiradores, o Pará é o estado com mais confirmados da Covid-19 entre os que integram a região amazônica. São 60.636 confirmações e 3.989 óbitos, segundo dados do governo estadual desta terça-feira (9).

Mesmo menos populoso, os casos confirmados só ficma atrás de São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará. No Pará, 68% dos leitos para UTI destinados a pacientes graves na rede estadual estão ocupados.

Paciente chega ao hospital Regional Dr. Abelardo Santos, em Belém, no Pará, estado que lidera o número de casos do coronavírus na Amazônia
Paciente chega ao hospital Regional Dr. Abelardo Santos, em Belém, no Pará, estado que lidera o número de casos do coronavírus na Amazônia - Raimundo Paccó - 30.abr.20/Xinhua

O Pará chegou a decretar lockdown em 17 municípios por 17 dias – de 8 a 24 de maio, mas depois decidiu afrouxar a regras, e permitiu a reabertura do comércio de rua e shoppings em Belém.

O plano de reabertura, batizado de Retoma Pará, estabelece seis níveis de classificação de risco identificados por bandeiras, que vão da preta (lockdown) a azul (risco mínimo), a partir de variáveis como taxa de transmissão e capacidade do sistema de saúde.

Permanece suspenso o transporte coletivo interestadual e intermunicipal de passageiros (exceto para cidades conurbadas, como as da RMB), bem como os cortes de serviços de energia, água e internet em todo o estado.

Na última segunda-feira (8), o Tribunal de Justiça do Pará decidiu não acatar pedido de lockdown feito pelo Ministério Público Estadual do Pará e Ministério Público do Trabalho.

As cidades com os maiores números de casos confirmados de Covid-19 são a capital Belém, que concentra 25,54% do total (14.879); Parauapebas (4.325), que fica no sudeste paraense, região dos Carajás; Ananindeua (3.320), Cametá (1.831) e Abaetetuba (1.735), estas três últimas localizadas na Região Metropolitana de Belém e arredores.

No interior, Santarém está entre as cidades que mais preocupam, com UTIS lotadas. diante da demanda alta, até o prefeito, que é médico, atende casos suspeitos da Covid-19.

De acordo com o estado, o pico da contaminação e das mortes no Pará ocorreu em maio e os números vêm apresentando uma redução nos primeiros dias de junho. Enquanto na semana de 1 a 7 de junho foram registrados, em média, 180 novos casos confirmados e 33 óbitos por dia, nos primeiros dois dias desta semana (8 e 9 de junho) essas médias foram de 62 casos e 8 mortes por dia.

As aulas nas escolas públicas foram suspensas dia 18 de março e ainda não têm data para serem retomadas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.