Depoimento: websuruba na pandemia diverte quem mostra e quem vê

Festa em sala virtual teve mais de 2.000 inscritos

Angelo Dias
São Paulo

Nunca imaginei que, em pleno isolamento social, fosse estar presente em uma orgia com quase 600 pessoas. Não é como se fosse minha primeira festa de sexo, com drinks, risadas e gente transando, mas foi a primeira experiência em uma websuruba — reunião de pessoas com o intuito de ver e serem vistas em situações pouco ortodoxas, tudo em nome do prazer geral.

A festa “Sdds Sentar”, organizada pelo perfil @sentomesmo no Instagram, teve quase 2 mil inscritos para a sala virtual. O evento, no dia 30 de maio, reuniu gente de todo o tipo mostrando tudo para quem quisesse ver. Teve peitos, pintos, dildos, bundas e vulvas.

Para participar foi necessário um breve cadastro, com uma clara mensagem: não era possível prevenir que a tela fosse gravada ou fotografada, e que o participante estaria ciente disso. Entendida essa questão, era só entrar no aplicativo, ligar o som e curtir o visual.

Capriche na roupa, seja você e divirta-se. São algumas regras da festa
Capriche na roupa, seja você e divirta-se. São algumas regras da festa - Catarina Pignato

O que você mostraria na câmera ficava a seu critério, como os vários pênis eretos de corpos sem rosto, vulvas tocadas por ágeis dedos e o movimento de (sortudos) casais transando. Uma pessoa responsável operava o software de troca de câmeras, mostrando quem queria ser visto em tela cheia, deleite para observados e observadores.

O pico, segundo o organizador, foi de 600 pessoas online. No início, enquanto a música rolava — um pop seguido de eletrônico, que para mim foi mais som de fundo para rolar o clima que motivo de foco — as pessoas ainda estavam tímidas, interagindo via chat de texto com quem surgia na câmera. Não demorou para os primeiros corpos nus aparecerem e, daí para a frente, foi só alegria.

De todos os fetiches, o voyeur era o rei da festa. Como o visual importava, até a própria nudez foi deixada de lado. Teve gente de roupa elaborada, como um casal vestido de prints animais, e aqueles sem roupa nenhuma; gente com máscara sofisticada e também a já comum máscara-anti-corona para esconder o rosto. Eu não tive escolha — muita tatuagem para esconder e pouco creme base — e mostrei a cara junto com um grupo de destemidos.

Antes de ligar a câmera e entrar na websuruba, pense em o que quer mostrar e esconder
Antes de ligar a câmera e entrar na websuruba, pense em o que quer mostrar e esconder - Catarina Pignato

Ainda que algumas pessoas estivessem produzidas para o evento com cenas de sexo ao vivo, a festa pouco parecia um filme pornô tradicional. Como os participantes acabavam interagindo via chat, e todo ato era consentido, a sensação geral era de diversão, felicidade e coletividade — sentimento necessário em momento de isolamento. Estar bem e se sentir sexy era o principal. O gozo, secundário.

Comecei a noite achando que manteria a cueca vestida e que esse seria um experimento quase antropológico. Tolinho.

Após uma hora e pouco de festa — que passou mais rápido que imaginei — já estava participando do que eu presumo ser a maior masturbação coletiva da história da internet brasileira.

A operadora da câmera exibiu o homem que dançava no barra de Pole Dance exibindo um plug anal que emula um rabo, depois a mulher que pulava, animada, em um vibrador — protegida da identificação com uma balaclava sobre o rosto (meu novo fetiche) — e transferiu a imagem para a mulher que derrubava cera quente de vela nos peitos enquanto recebia uma enxurrada de elogios do chat em texto. Homens e mulheres se divertiam vendo quem se divertia mostrando.

Para mim, a websuruba foi um sucesso, mesmo diferente dos eventos que já estou acostumado. Com menos variáveis que uma orgia presencial, quero que esse tipo de evento se torne mais comum enquanto nos escondemos em nossas casas aguardando o vírus minguar.

Talvez, a versão virtual até convença pessoas menos interessadas em surubas que sexo em grupo é legal — e nada vergonhoso, como nos ensinam por aí.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.