Descrição de chapéu Ao Vivo em Casa

Thiago Amparo e Giselle Beiguelman debatem a retirada de estátuas no Brasil

Ao Vivo Em Casa discute a homenagem a figuras históricas ligadas à opressão de negros e indígenas

São Paulo

O Ao Vivo Em Casa, série de lives da Folha para o período da pandemia da Covid-19, trata nesta quinta-feira (18), às 17h, de um movimento que tomou parte do planeta no rastro dos protestos antirracismo que se espalharam a partir dos EUA: a derrubada de monumentos públicos em homenagem a figuras históricas que colaboraram com a escravidão.

No Brasil, o alvo é mais amplo, em inclui aqueles responsáveis pela opressão de povos indígenas, representados principalmente pelos muitos bandeirantes que decoram praças e nomeiam avenidas e estradas.

poder Thiago Amparo e Giselle Beiguelman
poder Thiago Amparo e Giselle Beiguelman - Núcleo de Imagem

Para discutir essa memória e os modos como pode se dar a sua revisão estarão nesta edição do Ao Vivo Em Casa a historiadora, artista e professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, Giselle Beiguelman, e o advogado , colunista da Folha e professor de políticas de diversidade na FGV Direito SP, Thiago Amparo. A mediação é da jornalista Fernanda Mena.

Tanto Beiguelman como Amparo escreveram sobre o tema preemente no jornal, e refletem sobre questões como o direito à memória e questionam qual seria o destino desses monumentos, entre a contextualização, a oposição ou o esquecimento.

Ambos relembram do episódio recente que funciona como marco do movimento atual: a campanha Rhodes Must Fall, ou Rhodes deve cair, criada por estudantes da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, para a derrubada do monumento ao colonizador britânico Cecil John Rhodes, um dos arquitetos da segregação no país que levaria ao regime de apartheid. O movimento culminou com a remoção da estátua cinco anos atrás.

Em São Paulo, o Monumento às Bandeiras, de Victor Brecheret, é alvo de protestos desde meados dos anos 2000. Já foi manchado de tinta vermelha, em referência ao sangue dos indígenas mortos pelos bandeirantes, e, depois, foi pichado com os dizeres "bandeirantes assassinos" em 2013. Outro alvo do debate atual é a gigantesca estátua do bandeirante Borba Gato, em Santo Amaro.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.