Descrição de chapéu Coronavírus

UPA acumula corpos e até prefeito atende pacientes em Santarém (PA)

Cidade tem 98 mortes e 2.003 casos confirmados da doença

Manoel Cardoso
Santarém (PA)

Tornou-se rotineiro o acúmulo de corpos em um dia de plantão na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Santarém, no oeste do Pará. Nesta quarta-feira (3), eram oito suspeitas de serem vítimas da Covid-19 que esperavam a remoção para os cemitérios da cidade.

Funcionários relatam exaustão nos plantões que resultam em muitas vítimas. Santarém registra 98 mortes e 2.003 casos confirmados —nos números, não foram contabilizados os oito corpos da UPA desta quarta.

Corpos acumulados na UPA de Santarém, em imagem cedida por funcionários; foto mostra corpos em sacos pretos, em macas numa sala da unidade
Corpos acumulados na UPA de Santarém, em imagem cedida por funcionários - Divulgação

Devido à demanda e ao afastamento de funcionários infectados pela doença, o prefeito de Santarém, Nélio Aguiar, que é médico, passou a atender pacientes na UPA no início desta semana.

A unidade não tem UTI, mas salas de estabilização montadas para pacientes com quadros mais delicados. Os casos graves que requeiram internação em UTI são transferidos para o Hospital Regional do Baixo Amazonas do Pará; o Hospital de Campanha de Santarém recebe pacientes de baixa e média complexidade.

Santarém está com 100% dos 48 leitos de UTI ocupados no hospital regional, e há 60 pacientes graves na fila, esperando uma vaga. Só nesse hospital, há hoje 51 profissionais de saúde afastados porque foram infectados pelo novo coronavírus.

Em nota, a direção da UPA disse que corpos não se amontoam na unidade. “Infelizmente, diante da pandemia e por ser uma Unidade que atende de portas abertas, casos de óbitos ocorreram. Entretanto, ressaltamos que em nenhum momento corpos ficaram acumulados no espaço."

Ainda segundo a nota, Santarém vive uma alta demanda de atendimento e “todos os esforços são feitos para dar a assistência devida. Inclusive com a retaguarda do Hospital de Campanha de Santarém, que recebe pacientes com quadro moderado e grave”.

Diante da alta de casos, com colapso nas UTIs da cidade, Santarém chegou a ter lockdown, com total restrição da circulação de pessoas até o último dia 31.

A partir de segunda-feira (1), o comércio de rua reabriu. Para evitar aglomerações, a prefeitura, porém, impôs um "rodízio" de pessoas circulando nas ruas.

O morador precisa andar com CPF; quem tem no final número ímpar não pode circular num determinado dia e é orientado a voltar pra casa, se abordado na fiscalização.

Também está em vigor um toque de recolher, com circulação proibida nas ruas entre 19h e 5h.

​Com 46.473 casos confirmados e 3.245 óbitos, o Pará tem 80% dos leitos estaduais de UTI ocupados —está entre os dez estados brasileiros com taxa de ocupação acima de 80%.

Diante do avanço da doença, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB) decidiu suspender a reabertura de shoppings e salões na cidade, que estava prevista para essa quinta, a fim de evitar aglomerações.

Na segunda-feira (1), o prefeito de Santarém inaugurou uma usina de gases medicinais, que vai funcionar dentro do hospital municipal. A intenção é fazer o processamento de oxigênio usado no tratamento dos pacientes da cidade. Será possível produzir 30 metros cúbicos de oxigênio por hora, o que deve atender simultaneamente 40 pacientes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.