Descrição de chapéu Coronavírus

Governo de SP diz que capital teve queda aguda em casos confirmados da Covid-19

Interior do estado registrou 60% do total de pessoas infectadas nas últimas 24h, segundo Centro de Contingência

São Paulo

O secretário de desenvolvimento regional do estado de São Paulo, Marco Vinholi, disse em entrevista nesta terça-feira (7) que a capital paulista apresentou queda aguda no número de casos confirmados do novo coronavírus.

“O que vimos no início colocava casos e óbitos majoritariamente na capital. No último período, houve inversão dessa lógica com a interiorização da pandemia, quase 60% dos casos foram registrados ontem [segunda-feira] no interior do estado.”

Nesta segunda (6) foram registrados 2.891 novos casos no estado. Destes, a menor parte (12,4%) foram contabilizados na capital, enquanto o interior foi responsável por 70,87%. Os municípios da Grande São Paulo somaram 16,6%.

De acordo com o comitê, o estado já esteve em situação pior. A secretária de desenvolvimento econômico, Patricia Eller, ressaltou que a queda de casos no estado é de cerca de 10%, enquanto à redução de mortes foi de 1,6%.

No último dia 22 de junho, municípios do interior do estado ultrapassaram pela primeira vez a capital em número de pessoas infectadas. Na ocasião, o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, esse movimento já era esperado. Fato ressaltado por Vinholi nesta terça.

Segundo o secretario de desenvolvimento regional, o coronavírus já está estabilizado no estado. SItuação que pode ser explicada, segundo Patrícia Eller, pela igual estabilização na taxa de isolamento da capital e de municípios da região do ABC e da Grande São Paulo.

Apesar de as ruas parecerem mais cheias, Eller aponta que a taxa de isolamento se mantém estável porque um dos índices utilizados para a sua medição é o monitoramento do isolamento de funcionários em cada setor econômico, como o de comércio.

"Estamos falando de 2 milhões de pessoas no comércio. Já na educação seriam 13 milhões. Como a retomada é gradual, nem todos os profissionais voltam ao trabalho. Ainda que retornassem, os clientes entram em uma loja, compram o produto e saem, já no setor da educação as pessoas ficam no local. Por isso vemos essa diferença no impacto [da doença]", disse.

O comitê atribui a estabilização da taxa de isolamento ao plano de retomada econômica estadual, o Plano SP. Isso porque havia uma queda no isolamento que foi recuperada após o início da reabertura.

Com o avanço das cidades na flexibilização da quarentena e o equilibrio da taxa de isolamento, liderada pela capital, São Paulo estuda reabrir parques urbanos, temáticos e de preservação já na próxima segunda-feira (13). A decisão, no entanto, será divulgada na sexta (10).

De acordo com Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência da Covid-19, caso se confirme a reabertura dos parques, aglomerações e grandes grupos não serão permitidos nos locais.

O comitê indica que o nível de contágio em áreas ao ar livre é baixo e que ainda não há evidência na literatura médica de que o vírus, de fato, seja transmitido pelo ar.

“O centro de contingência está avaliando a questão dos parques sob a luz dessas informações e de experiências de outros países que estão reabrindo seus parques e estudando o impacto disso em uma eventual segunda onda”, disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.