Jovem é morto a pedradas na BA em crime motivado por homofobia

Adolescente que confessou o crime diz que foi assediado e não gosta de homossexuais

Salvador

Um jovem de 21 anos foi morto a pedradas e teve o seu corpo queimado na madrugada do último domingo (12) no município de Luís Eduardo Magalhães, oeste da Bahia. O crime foi motivado por homofobia.

Guilherme de Souza estava voltando para casa no bairro Conquista, periferia da cidade, quando foi abordado por dois adolescentes, de 14 e 16 anos. Ele foi apedrejado pelos jovens e ficou inconsciente. Na sequência, foi arrastado até uma casa abandonada, onde foi queimado.

Guilherme de Souza, 21, da cidade de Luís Eduardo Magalhães (BA)
Guilherme de Souza, 21, da cidade de Luís Eduardo Magalhães (BA) - Reprodução/TV Bahia

A polícia apreendeu um dos adolescentes horas depois do crime. Em depoimento, o jovem de 14 anos confessou que premeditou a morte de Guilherme, o agrediu junto com outro amigo e ateou fogo na vítima.

Em uma primeira versão, ele afirmou em depoimento que matou Guilherme após uma discussão entre ambos. Em um segundo depoimento à polícia, contudo, ele afirmou que se sentia incomodado com a forma com que Guilherme, que era homossexual, olhava para ele e o paquerava.

Polícia no bairro Conquista, em Luís Eduardo Magalhães (BA), onde corpo de Guilherme de Souza foi achado
Polícia no bairro Conquista, em Luís Eduardo Magalhães (BA), onde corpo de Guilherme de Souza foi achado - Reprodução/TV Bahia

“Ele disse que vítima o tinha assediado e que ficou envergonhado. Afirmou que não gostava de homossexual e que o mataria na primeira oportunidade”, afirma o delegado Rivaldo Luz, coordenador regional de Polícia Civil da região.

Em entrevista à TV Bahia, Franciane de Souza, mãe de Guilherme, lamentou a morte do filho e, sobretudo, a sua motivação.

“Qualquer mãe pensa que um dia o filho vai chegar em casa porque alguém bateu, fez alguma coisa pelo fato dele ser homossexual. A gente sempre se preocupa, a mãe sempre se preocupa com isso. Mas jamais na minha vida eu ia pensar que iam matar meu filho daquela forma, daquele jeito, por ele ser homossexual”, disse, em tom emocionado.

O adolescente de 14 anos foi apreendido provisoriamente e aguarda decisão judicial. Ele devem ser encaminhado para Salvador para o cumprimento de medida socioeducativa. O jovem de 16 anos está foragido.

Erramos: o texto foi alterado

Guilherme de Souza foi morto a pedradas e não a pauladas como foi relatado na reportagem. O texto foi corrigido. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.