Descrição de chapéu Obituário Luiz Pacheco Drummond (1940 - 2020)

Mortes: Bicheiro, foi campeão de seu último Carnaval

Presidente da Imperatriz Leopoldinense em três ocasiões foi alvo de processos judiciais

Rio de Janeiro

Era década de 1970 quando o compositor Zé Katimba, da escola de samba Imperatriz Leopoldinense, no Rio, pediu ajuda ao bicheiro Luizinho Drummond.

“A gente tinha perdido na Justiça o terreno onde hoje é a quadra da Imperatriz. O Luiz era o único que poderia comprar aquele terreno.”

Luzinho topou a proposta e montou uma chapa com Katimba para concorrer à presidência da escola. Em 1976, tornou-se presidente da Verde e Branco de Ramos e uma das figuras folclóricas do carnaval carioca.

Era presidente da Imperatriz desde 2007, cargo que já havia ocupado por duas vezes (1976–1983 e 1986–1992). Também presidiu a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (1998-2001).

O patrono da Imperatriz morreu no dia 1 de julho, aos 80 anos, após sofrer um AVC.

Luizinho Drummond, presidente da Imperatriz Leopoldinense
Luizinho Drummond, presidente da Imperatriz Leopoldinense - Andre Melo Andrade - 22.fev.20/MyPhoto Press/Folhapress

Drummond estava na sua casa em Cachoeiras de Macacu, na Região Serrana do Rio. Foi levado de helicóptero para o Hospital Copa Star, em Copacabana, mas não resistiu.

Apaixonado pelo carnaval, viu neste ano sua agremiação ser campeã da Série A e ter o direito de voltar ao Grupo Especial em 2021.

“Ele ficou muito triste pelo rebaixamento da escola em 2019. Morreu como campeão do seu último carnaval”, disse o carnavalesco Leandro Vieira.

“Hoje, a Imperatriz chora, todo sambista chora. Que Deus receba nosso patrono de braços abertos e que ele cuide de nós, como sempre fez em vida, onde quer que esteja”, lamentou a escola em nota.

Para André Bonatte, vice-presidente da Imperatriz, a escola perdeu seu alicerce. “Deu estrutura financeira, política e organizacional à escola, que passou a ser considerada tecnicamente perfeita.”

“Ele era um pai amoroso, carinhoso. Muito alegre e brincalhão. Graças a Deus, pode ver a Imperatriz ser campeã neste ano”, disse a filha Simone.

Também era nome conhecido do jogo do bicho no Rio. Em 1996, cumpriu três anos de prisão (um terço da pena) por extorsão —um habeas corpus lhe deu liberdade condicional.

Respondeu por contravenções penais (processo arquivado em 2019), por falsidade ideológica (arquivado em 2006), por formação de quadrilha e por exploração do jogo do bicho, segundo dados do Tribunal de Justiça do Rio.

Em 2012, foi considerado foragido após a Operação Dedo de Deus, da Polícia Civil, mas estava em liberdade gracas a um habeas corpus do Superior Tribunal de Justiça.

Carioca devoto de Nossa Senhora de Nazaré, Luizinho Drummond deixou seis filhos e 16 netos, além da esposa, Lena.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.