Descrição de chapéu Obituário Omar Thomé (1935 - 2020)

Mortes: Dedicou-se à missão de desafiar a medicina

Omar Thomé era médico formado pela Escola Paulista de Medicina

São Paulo

O cardiologista Omar Thomé sempre quis ser médico. Segundo o genro, o publicitário Celso Vergeiro, 56, ele acreditava que sua missão era salvar vidas.

“O Omar gostava de se deparar com casos complexos e difíceis, porque se sentia desafiado. Ele ia estudar, se aprofundar e consultava os colegas para ver a melhor forma de tratamento. Os maiores desafios da medicina eram a alegria dele”, diz Celso.

O cuidado com o próximo sempre foi uma de suas características marcantes.

Omar Thomé (1935-2020)
Omar Thomé (1935-2020) - Arquivo pessoal

Filho de fazendeiro e dona de casa, Omar era o mais velho de três filhos. Apesar de gostar da atividade agrícola, viveu alguns anos em Mirassol (452 km de SP), sua terra natal, e se mudou. Passou uma temporada em Curitiba (PR) e depois foi para São Paulo.

O primo, o engenheiro químico Cézar Thomé, 84, lembra que Omar tinha paixão por dirigir. “Logo que veio a São Paulo, Omar morava em hotéis. Quando ele se hospedou em um hotel da rua Boa Vista, fez amizade com um taxista japonês. Ele pagava a corrida e dirigia o táxi pela cidade toda com o rapaz no banco traseiro”, conta Cézar.

Omar cursou a faculdade na Escola Paulista de Medicina e fez residência no Hospital das Clínicas. Tornou-se cardiologista, com atuação em vários hospitais e em consultório particular.

Viveu para se dedicar à família e à profissão. Estudava e participava de cursos e congressos para se aprimorar.

Era firme, inteligente e simples. Cuidou de todos –avós, pais, tios, filhos, primos, amigos e pacientes. Foi exemplo de humildade, honestidade, carisma e solidariedade.

Omar Thomé morreu dia 14 de julho, aos 85 anos, de infarto. Deixa esposa, cinco filhos e netos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.