Descrição de chapéu Coronavírus

Ribeirão Preto tem pior cenário de ocupação de leitos de UTI para Covid-19 em SP

Entidades do comércio pedem reabertura imediata de atividades; em cinco hospitais, mais de 90% dos leitos estão com pacientes

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Ribeirão Preto

Um dos principais polos de saúde do interior do país, Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) apresenta o pior índice de ocupação de leitos exclusivos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para tratamento da Covid-19 de São Paulo.

Com 91,4% de ocupação, o departamento regional de saúde (DRS) de Ribeirão —que concentra cerca de 1,5 milhão de habitantes, quase metade deles na cidade— permaneceu na fase vermelha do plano São Paulo, a mais restritiva, conforme anúncio feito nesta sexta-feira (24) na capital.

Além dela, só as regiões de Franca e Piracicaba seguem na fase vermelha —a ocupação de UTIs está acima de 80%.

Por isso, todas as atividades comerciais não essenciais estão proibidas, e a prefeitura publicará novo decreto ampliando a quarentena até o dia 2 de agosto.

Até esta sexta (24), a cidade chegou a 319 óbitos por Covid -19, nove delas registradas no intervalo de 24 horas, e 11.963 casos do novo coronavírus.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), na coletiva em que anunciou a manutenção das regiões de Ribeirão, Franca e Piracicaba na fase vermelha - Governo do Estado de São Paulo

A manutenção da cidade na fase vermelha do plano de reabertura gerou descontentamento do Sincovarp (Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto) e da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas), que pediram que a reabertura das atividades econômicas ocorra “de forma urgente sob pena de vermos agravada, ainda mais, a severa crise socioeconômica que já atinge Ribeirão Preto e região”.

Segundo as entidades, o prolongamento da quarentena vai gerar grande queda de arrecadação para os cofres públicos municipais e pode comprometer salários de servidores e até o combate à Covid-19.

“Entendemos que não adianta apenas Ribeirão adotar medidas ainda mais restritivas, penalizando o setor produtivo que já vem dando grande cota de sacrifício, se os demais municípios da DRS-13, e seus moradores não fizerem sua parte no sentido de proteger vidas e melhorar os indicadores”, diz trecho do comunicado.

Ribeirão lançou nesta quinta-feira (23) um painel online com a situação de todos os leitos de UTI e enfermaria para tratamento do novo coronavírus em todos os hospitais públicos e privados da cidade.

Na noite desta sexta, a ocupação das UTIs estava em 87,75%, com 179 dos 204 leitos em uso. Há também 129 respiradores sendo utilizados.

Apesar de o índice ter recuado ligeiramente em relação à média apontada pelo estado, há unidades hospitalares em que a ocupação é ainda mais crítica.

Nos hospitais Beneficência Portuguesa (12 leitos), Santa Casa (14) e São Paulo (5), a ocupação era de 100% nesta sexta. No Hospital Unimed, 17 dos 18 leitos estão em uso (94,44%) e, no São Lucas Ribeirânia, 94,12% (32 dos 34 leitos têm pacientes).

Já no Hospital das Clínicas da USP, o índice é de 86,27% em UTIs. Dos 51 leitos disponíveis, 44 têm pacientes.

Até mesmo o municipal Santa Lydia, que passou a receber pacientes da Covid-19 nesta semana, já tem 80% dos leitos em uso (12 dos 15 que estão disponibilizados).

Os pacientes com outras doenças foram transferidos para que o hospital atendesse exclusivamente casos de Covid-19. Outros cinco leitos devem ser abertos nos próximos dias.

O prefeito Duarte Nogueira (PSDB) disse que, exceto a ocupação de leitos, Ribeirão evoluiu nos outros indicadores considerados pelo estado na definição da fase em que a região se encontra e que novas vagas de UTI surgirão nas próximas semanas para desafogar o sistema hospitalar.

Na variação do número de casos, a região está na fase verde e, nos indicadores de internações, na amarela. A variação de óbitos, por sua vez, está na fase laranja, a segunda mais restritiva.

“Entendo que muitos estão apreensivos, nervosos, preocupados, passando por dificuldades financeiras nesse momento em que várias atividades no comércio estão fechadas. Peço a todos vocês paciência para que possamos atravessar essa etapa, que não tem sido fácil para ninguém”, disse o prefeito, que na última semana foi alvo de protesto violento de comerciantes.

A média diária de casos na cidade, que em junho foi de 202, está em 168 em julho, e o índice de positividade dos exames baixou de 78% dos testados para 50%.

“Para que a economia volte, vamos unir toda a população de Ribeirão para que esse vírus, que não tem remédio e não tem vacina, pare de circular com tanta intensidade em nossa cidade, como graças a Deus começamos a perceber nos últimos dias”, disse.

Os novos leitos, 38, estão previstos para as próximas semanas nos hospitais Santa Lydia (10), HC (18) e Ribeirânia (10), de acordo com a prefeitura.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.