Vídeo mostra mulher agredindo policial em SP antes de ser pisada por ele

Caso de Parelheiros está sendo investigado pela Corregedoria da Polícia Militar

São Paulo

A Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo, responsável pela investigação do caso do policial que pisou no pescoço de uma já mulher caída, em Parelheiros, zona sul da capital, teve acesso a novo vídeo sobre o episódio. Nele, aparece a vítima agredindo um dos PMs antes de ser pisada por ele.

O vídeo, o qual a Folha teve acesso, tem oito segundos de duração.

Ele mostra, primeiro, um policial imobilizando um homem na calçada, e, na sequência, aparece o outro PM tentando render um rapaz. É nesse momento que suge a dona do bar com um cabo de madeira na mão. Ela passa a atacar o policial. São ao menos quatro golpes.

Para policiais militares ouvidos pela Folha, os detalhes trazidos pelo novo vídeo não são capazes de justificar o comportamento do PM que pisou no pescoço da mulher caída. Assim, não deve livrá-lo de uma punição rigorosa, mas traz o contexto da ocorrência na zona sul.

Ainda na avaliação desses policiais, a situação do PM poderia ser ainda pior se ele tivesse mentido sobre a ocorrência. O policial havia alegado que a mulher e outro homem agrediram a equipe com o pedaço de madeira e uma barra de ferro, e que derrubaram a mulher para se defenderem.

O caso de violência policial foi revelado pelo Fantástico, da TV Globo.

A comerciante, por sua vez, afirmava que só pediu para que o policial parasse de atacar um amigo dela, quando tomou socos e um chute na perna, que acabou fraturando sua tíbia.

“Aí voltei para o bar e, em seguida, saí de novo. Aí um policial me deu três socos, depois ‘um rodo’ [rasteira]. A ponta da botina bateu na minha canela, que quebrou na hora”, disse ela, em entrevista anterior.

Mulher agride um policial durante atendimento de ocorrência por perturbação de sossego público, na tarde de sábado, 30 de maio em Parelheiros, no extremo da Zona Sul de São Paulo - Reprodução

Os policiais envolvidos na ocorrência estão afastados das ruas. Para o comando da Polícia Militar paulista, a ação do policial é “totalmente reprovável” e não faz parte dos protocolos de atuação.

"O policial estava de pé no pescoço. É uma postura totalmente reprovável. Não há nenhum procedimento que dita aquela postura do policial, aquilo não está previsto em manuais. Ali, houve violação de regras. A postura do policial é totalmente contrária ao que a PM deseja”, disse o porta-voz da PM, o capitão Osmário Ferreira.

O advogado Felipe Pires Morandini, que representa a comerciante, disse não tinha conhecimento do novo vídeo até a quarta (15), mas as imagens não mudam as conclusões dele.

"A comerciante tenta, da forma que pode, cessar a agressão que seu amigo estava sofrendo [estava sendo enforcado], e naquele momento, passa a ser covardemente agredida. A violência utilizada não se justifica, mesmo com esta nova imagem", diz Morandini.

Na manhã desta sexta-feira (17), a comerciante foi o ouvida pela Polícia Civil e contou sobre as pancadas no PM. Disse que viu o amigo ensanguentado, aparentemente já imoblizado, apanhando de um policial. "Com o propósito de fazer o policial militar soltar seu amigo, investiu três vezes contra o policial batendo com o rodo de limpeza, após, largou o rodo deu a volta no veÍculo e acredita que o policial ao qual desferiu os golpes, passou a lhe agredh com socos no peito, um chute na pema e agarrando seu cabelo e sua blusa a jogou em frente ao veículo, pisando em seu pescoço e tentando algemá-la enquanto se debatia."

Diz a mulher que desmaiou nessa hora e só recobrou a consciência quando estava na calçada, com policial com joelho nas suas costas e no pescoço. "Em seguida, relata quê uma vizinha [...], moradora na mesma rua, não sabe o número, apenas que ficam quatro casas a esquerda (de frente para rua) da sua, interveio na ação do policial, deitando-se sobre seu corpo para cessar as agressões", diz trecho do depoimento.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.