Engavetamento com 22 veículos deixa ao menos 8 mortos no Paraná

Fumaça pode ter provocado acidente em rodovia próxima a Curitiba

Curitiba

Ao menos oito pessoas morreram e dezenas ficaram feridas em acidente envolvendo 15 carros, 5 motos, uma carreta e uma viatura policial na BR-277, em São José dos Pinhais (PR), na região metropolitana de Curitiba.

Das oito vítimas, há sete jovens com idades entre 20 e 25 anos. Morreram no acidente o cabo do exército Lucas Moreira, o casal Fernando Jaroz Mendes e Ester Nunes de Oliveira e a irmã dela, Jéssica Nunes de Oliveira, Guilherme Ribas de Oliveira, Jessica de Souza, a técnica em enfermagem Jurema Elvira dos Santos, 41, e a estudante de educação física Emanueli de Fátima dos Santos Ferreira, 23.

Segundo o Corpo de Bombeiros, um incêndio na vegetação provocou o acidente por volta das 22h20 da noite deste domingo (2). O engavetamento ocorreu na altura do km 77, sentido litoral, próximo à ponte do Rio Iguaçu. Ambos os sentidos da via ficaram interditados até as 5 horas desta segunda-feira (3) para atendimento das vítimas e limpeza da pista.

As equipes do Corpo de Bombeiros foram ao local para atender ocorrência de incêndio ambiental. Pessoas que passaram pelo trecho da rodovia momentos antes do acidente relataram que havia pouco visibilidade por causa de um nevoeiro natural e excesso de fumaça.

Apuração prévia baseada em depoimentos de vítimas e testemunhas aponta que houve uma primeira batida de veículos, sem gravidade, causada pela baixa visibilidade no local. Além dos motoristas e passageiros desses carros, outras pessoas que trafegavam pela rodovia decidiram parar para aguardar a fumaça diminuir.

Em seguida, o motorista da carreta que vinha atrás não conseguiu frear e tentou desviar dos veículos, mas acabou atingindo quatro pessoas que estavam na lateral da pista. Todas morreram na hora. As outras quatro vítimas estavam em veículos que vinham atrás da carreta.

acidente na br-277
Acidente na BR-277, no Paraná - Reprodução/TV Globo

Em áudio enviado a grupos de WhatsApp logo depois da batida, em tom de desespero, ele afirmou que havia uma neblina muito forte no trecho e que acabou atingindo as vítimas. Observando o cenário, ele relatou sentir até medo de linchamento pelo ocorrido.

​“Meu Deus do céu, não dava para ver nada. Não sei o que fazer agora. Tá muito feio, muito feio”, disse o motorista em um trecho do áudio.

A delegacia de São José dos Pinhais afirmou que vai apurar as circunstâncias da ocorrência. O motorista da carreta ainda não foi ouvido pelas autoridades.

Ao todo, sete pessoas morreram na hora. Uma mulher foi levada ao hospital em quadro grave e morreu durante a madrugada. Encaminhados ao Instituto Médico Legal de Curitiba, os corpos foram identificados.

Outra vítima permanece internada em estado grave. Cinco pessoas sofreram poucas lesões, e 16 vítimas não precisaram de atendimento. Ao menos 20 equipes de socorro, dos bombeiros e do Samu, foram mobilizadas para atender a ocorrência.

Imagens de emissoras locais de televisão mostram que, mesmo depois da batida, a visibilidade na região estava muito baixa.

No último dia 28, a prefeitura de São José dos Pinhais divulgou que, durante duas semanas, recebeu de 20 a 30 reclamações diárias entre ligações, e-mails e protocolos dando conta de diversas queimadas ocorridas em toda cidade, principalmente na região do acidente. A Secretaria de Meio Ambiente apura se os focos nas áreas de competência do município partiram de ação humana.

No dia 26 de julho, domingo, um grande foco de incêndio ambiental foi registrado na mesma região da ocorrência. O Paraná tem sofrido com uma forte estiagem, e o tempo seco favorece que as chamas provocadas se alastrem pela vegetação.

Em nota, a Ecovia Caminho do Mar, do grupo EcoRodovias, que administra o trecho da rodovia, confirmou que a visibilidade na rodovia ficou prejudicada em função da fumaça gerada por uma queimada fora da faixa de domínio. A assessoria informou que a empresa tem “diariamente” combatido focos de incêndio na região.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.