Descrição de chapéu Obituário Mônica Franco Montoro (1957 - 2020)

Mortes: Poeta e jornalista, contestou a vida com amor e irreverência

Mônica Franco Montoro é autora de quatro livros, sendo três de poesias

São Paulo

A poeta e jornalista Mônica Franco Montoro, caçula dos sete filhos de Lucy Montoro com o ex-governador de São Paulo André Franco Montoro (PMDB, 1983-87), sabia contrastar o espírito contestador com o lado humano.

A mistura, somada à personalidade forte e à sensibilidade, fazia dela uma pessoa cativante. Alegre e disposta para festas e badalações, sempre foi rodeada de amigos.

“Mônica era tão contestadora que, com o irmão Ricardo, eram os únicos corintianos dentro de uma família são-paulina”, afirma um dos irmãos, o administrador público Fernando Montoro, 64.

A verdade é que seu jeito contestador ajudou muita gente a encarar a vida de outra forma.

Mônica Franco Montoro (1957-2020)
Mônica Franco Montoro (1957-2020) - Bruno Poletti - 14.jun.2016/Folhapress

“Mesmo sendo 15 anos mais nova do que eu, a Mônica me ensinou a conviver com o plural, aceitar o diferente e valorizar outros aspectos da vida”, diz sua irmã Malu Montoro Jens, 78.

“Ampliou a nossa maneira de ver o mundo. Ela soube ampliar os horizontes. Foi diferente e impôs amor e respeito pela sua maneira de ser”, continua a educadora.

Ativa, desde a adolescência destacou-se nos esportes que praticava no colégio, como vôlei e atletismo, e abusava do dom de realizar muitas coisas ao mesmo tempo.

Na infância, Mônica gostava de andar a cavalo em Campos do Jordão (181 km de SP) em companhia de seu amigo João Doria, atual governador de São Paulo (PSDB).

Mônica formou-se em artes plásticas na Faap (Fundação Armando Álvares Penteado) e jornalismo na Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero.

Fera na escrita, apostou na profissão de jornalista, no caderno de turismo do jornal O Estado de S. Paulo e na agência DPZ, de Roberto Duailibi -- hoje DPZ&T--, entre outros trabalhos.

A vida também a brindou com o dom para poesia. Quando criança, segundo seu irmão Fernando, ela tinha o hábito de recitar o poema “José”, de Carlos Drummond de Andrade.

Dos quatro livros que escreveu, três são de poesia: “Varal” (1984), “Frestas” (1999) e “Passado a Limpo - Ode a Meu Pai” (2009), publicado dez anos após da morte de André Franco Montoro.

Já “Banana, Barro e Mandioca” (2013) traz, em textos e fotos, relatos sobre os moradores do Vale do Ribeira.

Mônica Franco Montoro morreu no dia 8 de agosto, aos 63 anos, de infarto. Deixa cinco irmãos, sobrinhos e sobrinhos-netos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.