Descrição de chapéu Coronavírus

Em idosos, confusão mental e mudanças comportamentais podem indicar Covid-19

Manifestações podem acontecer mesmo quando não há sintomas típicos da doença

Idosos acometidos por Covid-19 podem apresentar confusão mental, falta de apetite e dificuldade em realizar tarefas habituais num indicativo da doença sem, necessariamente, manifestar outros sintomas comuns.

Segundo Flávia Garcez, geriatra do Hospital Sírio-Libanês e pesquisadora do envelhecimento no Hospital das Clínicas da USP (HC), essas manifestações não típicas em outras idades podem ser comuns para os mais velhos.

A médica participou do Ao Vivo Em Casa, série de lives da Folha que, nesta quarta-feira (9), discutiu os impactos da pandemia do novo coronavírus na vida e na saúde dos idosos. A entrevista foi conduzida pelo jornalista Emilio Sant'Anna.

A partir de estudo realizado no HC, foi identificado que um em cada três pacientes idosos de Covid-19 internados apresentou quadro de "delirium", alteração mental aguda manifestada quando há alguma inflamação no corpo. Com a doença, especialmente levando em conta os protocolos de isolamento, a chance de apresentar "delirium" se agrava.

Atentar para a saúde mental do idoso na pandemia é um ponto muito importante, afirma Garcez, pois isso pode ter influência em outras doenças.

"A ausência de interação com família, comunidade e amigos traz muito impacto para o idoso, como ansiedade, depressão, levando à descompensação de outras doenças". De acordo com ela, há o agravamento de questões que ficaram por meses sem acompanhamento.

Na espera pela chegada de uma vacina eficaz contra o vírus, a atenção com a população mais velha deve ser redobrada. Enquanto isso, ela afirma, é necessário garantir que idosos sigam realizando acompanhamentos médicos, especialmente para doenças crônicas.

"Já é possivel retornar a consultas presenciais, mas a forma tem que ser conversada com o médico que faz o atendimento: se é necessário atender presencialmente ou pode ser feito de forma remota".

Para aplacar os impactos da pandemia e do isolamento na saúde mental dos idosos, a médica indica que familiares e amigos atentem sempre para os protocolos de segurança.

"Realizar visitas com um certo nível de segurança não é ter a ausência de risco. Essas visitas não podem acontecer agora de forma globalizada agora porque ainda há a recomendação de distanciamento social."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.