Descrição de chapéu Coronavírus

Gaviões da Fiel escolhe seu samba-enredo de 2021, em drive-in e com decisão inédita

Dois dos três finalistas saíram vencedores; versão oficial, unindo as composições, será apresentada nesta semana

Janaína Maurer Tuane Fernandes
Barueri (SP)

O Carnaval 2021 permanece sem data oficial em São Paulo em decorrência da pandemia da Covid-19. A Prefeitura e a Liga das Escolas de Samba vêm avaliando possibilidades de um novo formato ou até mesmo o cancelamento do evento, caso ainda não haja vacinação para a população.

Mesmo com a indefinição, as escolas de samba estão se organizando.

A Gaviões da Fiel definiu seu enredo, que se chamará “Basta!” e vai tratar sobre a luta contra o racismo, fascismo e opressões.

Na última sexta (18), a escola fez a escolha do samba que o representará e, em decisão inédita, optou por duas composições que, reunidas, conformarão a versão oficial do samba-enredo, que será anunciada ainda nesta semana.

Para o presidente da agremiação, Rodrigo Gonzalez, o Digão, o enredo escolhido revela a importância de levar para a avenida um tema histórico e que, diz ele, representará os 30 milhões de corinthianos espalhados pelo país.

Paulo Barros, que será novamente o carnavalesco responsável pela escola, afirmou que, além de ser um tema político-social, “é também uma bandeira pelo amor e pela igualdade de direitos, um canto contra a opressão, a desigualdade, a miséria e a violência”.

Em anos anteriores, nesta época a escola estaria com a quadra lotada para os ensaios da bateria e das alas e com o barracão na Fábrica do Samba funcionando diariamente para a construção de carros alegóricos e fantasias.

Com as medidas de isolamento social necessárias, não foi possível realizar as prévias presencialmente.

Pensando em fazer um evento que pudesse contar com a participação de sua torcida e de maneira segura, a diretoria da escola optou por realizar a grande final num drive-in, com transmissão ao vivo pelo canal da Gaviões da Fiel no YouTube.

Sabrina Marques e Cleiton Libarino estavam em um dos carros. “Viemos pelo Corinthians, eu não tinha participado de nenhum evento desse tipo ainda. Mas acompanhamos a torcida sempre, vamos todos os anos à quadra e, com esse enredo do 'Basta!', achamos que era importante apoiar a escola”, relatou a torcedora.

A noite começou com o show de Marquinhos Sensação, o Imperador do Samba. O cantor aqueceu o público que depois assistiu à apresentação da bateria da escola e a interpretação dos sambas-enredo clássicos da Gaviões da Fiel.

Ciro Castilho, mestre de bateria da escola há três anos, disse que está na expectativa da definição da data, mas ressaltou que aguarda a vacina para que a festa aconteça de forma segura.

As passistas da ala-show também estavam presentes e encantaram com suas fantasias e disposição para o samba, mesmo depois de meses paradas sem ensaios.

Bárbara Cardoso é enfermeira e trabalha na linha de frente no combate ao coronavírus.

“Fiz um plantão de 12 horas, dormi somente 3 e vim para cá. É difícil, mas isso aqui é a minha vida. Se fosse um ano normal, nós estaríamos tendo aulas e ensaios semanalmente, com um cronograma de exercícios físicos pesados. Mas, agora, é a primeira vez que estamos nos reunindo”, contou a profissional de saúde.

Todo esse esforço, pela torcida e escola, também é vivenciado por Alessandra Pereira. Ela tem 14 anos de Gaviões da Fiel. "A escola é nosso lazer, mas, para além disso, é a nossa casa. Eu passo mais tempo com as meninas e a bateria do que com minha família de sangue.”

Outro destaque da noite foi a participação do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da agremiação, Wagner de Araújo e Gabriela Mondjian.

A porta-bandeira, que é filiada à torcida organizada desde o seu terceiro dia de vida, reforçou a importância da escolha do enredo "Basta!". "Tem tudo a ver com a história que a gente carrega, por aquilo que a gente luta, pelos nossos ideais”.

O encerramento da noite aconteceu com a interpretação dos três sambas-enredo finalistas e o anúncio do vencedor.

Acabaram escolhidos o samba 12 (de autoria de Grandão, Sukata, Jairo Roizen, Morganti, Guinê, Xérem, Claudio Gladiador, Ribeirinho, Claudinho e Meiners), e o samba 15 (de Luciano Costa, Felipe Yaw, Marcelo Adnet, Fadico, Júnior Fionda, Lequinho, Fábio Palácio, o Mentirinha, Leonel Querino, Altemir Magrão, Marcelo Valente, Sandro Lima e Rodrigo Dias).

O diretor musical, Rafael do Cavaco, explicou que a diretoria irá se reunir com a comissão julgadora e com Ernesto Teixeira, intérprete oficial da agremiação, para realizar a junção dos sambas, que têm letras e melodias parecidas.

“Os dois sambas têm a pegada de manifesto e protesto que nós queremos levar pra avenida. É uma junção de paulistas com cariocas, e que funcionou bem nesse modelo de audições internas que fizemos”.

As jornalistas Janaina Maurer e Tuane Fernandes são bolsistas do canal NatGeo (@insidenatgeo) em projeto para documentar a torcida organizado Gaviões da Fiel no contexto da pandemia.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.