Descrição de chapéu Coronavírus

Pela primeira vez, todo o estado de São Paulo está na fase amarela

Governo extingue fase laranja; cidade que regredir passará à vermelha imediatamente

São Paulo

Todas as regiões e municípios do estado de São Paulo se encontram na fase amarela do Plano SP, a primeira vez desde que o plano para progressão de quarentena foi implementado, anunciou o governador do estado João Doria (PSDB) em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes nesta sexta-feira (11).

O anúncio se deu após a progressão das duas últimas regiões que ainda estavam na fase laranja (a segunda mais restritiva de um total de cinco fases), Franca e Ribeirão Preto, progredirem para a fase amarela.

A progressão de fase laranja para amarela só é feita quando há redução significativa e de número de óbitos e de internações em hospitais devido à Covid-19.

Esta é a oitava semana consecutiva de declínio das internações no estado. A ocupação de leitos de UTI no estado de São Paulo chegou a 52,5%, muito próximo à taxa na Grande São Paulo, de 52,2%.

A diminuição na taxa de ocupação de leitos foi acompanhada também por uma queda no número de óbitos na quinta semana consecutiva, segundo o governador.

Doria informou ainda que a partir desta sexta a reavaliação do Plano SP passa a ser mensal. No entanto, caso alguma região regrida, as cidades podem ser rebaixadas diretamente para a fase vermelha, estando, portanto, extinta a fase laranja.

A próxima requalificação acontecerá no dia 9 de outubro.

Neste semana, a cidade entrou pela primeira vez no estágio desacelerado de casos do novo coronavírus. Na prática isso quer dizer que a quantidade de novos casos confirmados tem caido ao longo do tempo de forma considerável, segundo o monitor de aceleração da Covid-19 revisado da Folha.

O modelo de acompanhamento utilizado pela Folha se baseia na evolução de casos em cada local e tem como parâmetro um período de 30 dias, com mais peso para o período mais recente. Com isso, é medida a aceleração da epidemia, ou seja, a forma como o número de novos casos cresce ou diminui.

A metodologia que pode demorar mais para captar os movimentos da pandemia em relação a outros métodos, como a média móvel de sete dias, adotada por governos e veículos de comunicação.

Por outro lado, essa metodologia tende a trazer mais estabilidade nos resultados.

A atualização dos dados do coronavírus no estado aponta que foram confirmados 8.055 novos casos nas últimas 24 horas e 234 novos óbitos. Do total de novos casos, 66% (5.316) foi diagnosticado com RT-PCR, 30% (2.417) com teste rápido e 4% (322) com outros métodos diagnósticos.

De acordo com Jean Gorinchteyn, secretário estadual de saúde, a taxa de ocupação de leitos no interior caiu, o que fez com que a taxa estadual se aproximasse à da capital. “Nós tínhamos uma ocupação maior nas últimas semanas nas UTIs do interior e ela já vem se aproximando e atingimos esses 52% com 724 mil pacientes recuperados.”

O secretário fez um apelo às pessoas que respeitem o uso de máscara, evitem aglomerações e mantenham o distanciamento físico.

“Frente nas últimas semanas de forma consecutiva tanto no número de óbitos quanto de internações conseguimos algo inédito de 100% dos munícipios do estado na fase amarela. Só que não podemos esquecer: ainda estamos em quarentena. As regras sanitárias devem ser seguidas, mesmo nos momentos de lazer.”

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), que também esteve presente na coletiva, anunciou que a secretaria municipal de Educação está com a rede preparada para poder receber os alunos assim que a secretária municipal de Saúde autorizar o retorno.

“Não há nenhum problema técnico dentro da secretaria de educação que impedem a volta às aulas nacidade de São Paulo.”

Covas disse também que na semana que vem irá apresentar mais dois resultados do inquérito sorológico que a prefeitura tem feito para saber a quantidade de pessoas que já contraiu o vírus na capital.

O prefeito antecipou que houve um aumento de 56% na taxa de pessoas já contaminadas das classes A e B em relação à etapa anterior, de 4,7%. Até o momento, os dados do inquérito apontam que 11% da população adulta paulistana já contraiu a Covid-19.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.