77% dos eleitores paulistanos são contra fechar ruas para colocar mesas de bares e restaurantes

Entre os que aprovam a medida, 55% defendem que ocorra em toda a cidade, mostra pesquisa Datafolha

São Paulo

Três em cada quatro eleitores paulistanos (77%) são contra o fechamento de ruas da cidade para dar lugar a mesas de bares e restaurantes, segundo pesquisa Datafolha. O levantamento mostra ainda que o projeto anunciado pela prefeitura não tem apoio majoritário em nenhum dos segmentos pesquisados.

Entre os entrevistados, 19% se mostram a favor da ocupação das vias, e 3% afirmam ser indiferentes ou não ter opinião sobre o assunto.

A maior aceitação à ocupação das ruas pelos comércios está entre os entrevistados na faixa etária de 25 a 34 anos –26% são a favor da medida. Já entre os mais velhos, com 60 anos ou mais, esse índice cai para 14%.

O apoio à medida cresce também entre os eleitores paulistanos que têm curso superior (27%), os que ganham mais de dez salários mínimos (34%) e os que moram na região central da cidade (33%).

A ocupação das calçadas da região central da capital paulista está em discussão desde que o prefeito Bruno Covas (PSDB) anunciou, em 5 de agosto, uma parceria com empresários da região da República para permitir o atendimento em mesas na rua, em estruturas construídas onde seriam vagas de carros, numa espécie de parklet simplificado.

A medida tem como objetivo, segundo os idealizadores, ampliar o espaço de atendimento aos clientes, que hoje está limitado a 60% da capacidade do salão dos restaurantes. Trata-se de projeto piloto e, se der certo, pode ser estendido para o restante da cidade. O investimento é todo privado, segundo a prefeitura, e as empresas não podem fazer publicidade que desrespeite a lei Cidade Limpa.

O projeto Ocupa Rua surgiu com a ideia de Alexandra Forbes, colunista da Folha, para que os restaurantes recuperassem parte da receita perdida com o fechamento em razão da pandemia do coronavírus.

O projeto foi apresentado ao prefeito, que liberou a sua execução. O grupo, então, correu atrás de patrocinadores e tenta viabilizar as obras. Alguns donos de restaurantes, no entanto, reclamam que não foram consultados sobre as alterações em suas calçadas e já receberam o projeto pronto.

Entre os favoráveis à ocupação das vias por mesas e cadeiras de bares e restaurantes, 55% avaliam que isso poderia ser feito em toda a cidade. Já para 44% dos que apoiam a medida, a implantação deveria acontecer só na região central. Uma fatia de 1% não soube opinar.

A aprovação da ampliação do projeto para outras regiões da capital paulista é puxada pelos mais jovens, com idade entre 25 e 34 anos (64%), com ensino superior (59%) e com renda entre 5 e 10 salários mínimos (68%).

O Datafolha ouviu 1.204 eleitores, com 16 anos ou mais na cidade de São Paulo nos dias 20 e 21 de outubro. A margem de erro máxima da pesquisa é de três pontos percentuais, e o nível de confiança é de 95%.

Erramos: o texto foi alterado

A pergunta feita pelo Datafolha no levantamento dos dias 20 e 21 de outubro (Você é a favor ou contra que a cidade tenha ruas fechadas para o trânsito para a colocação de mesas de bares e restaurantes?) deu margem para que o participante da pesquisa entendesse que o fechamento da via seria total. Na realidade, o intuito era perguntar sobre o uso parcial de ruas, calçadas e vagas de estacionamento para a colocação de mesas de restaurantes e bares.​ Leia mais em ttps://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/11/maioria-e-contra-uso-parcial-de-ruas-para-mesas-de-restaurantes-e-bares-em-sp-aponta-datafolha.shtml

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.