Corregedor afirma que Flordelis não conseguiu negar provas e recomenda continuidade do processo de cassação

Mesa diretora da Câmara dos Deputados agora deverá decidir se encaminha ou não denúncia ao conselho de ética

Brasília

O corregedor parlamentar, deputado Paulo Bengtson (PTB-BA), recomendou nesta quinta-feira (1º) à mesa diretora da Câmara que encaminhe ao conselho de ética o processo que pode levar à cassação do mandato da deputada Flordelis (PSD-RJ).

Ela é suspeita de ter sido a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo.

A tramitação, no entanto, esbarra no fato de o órgão colegiado continuar com as atividades suspensas por causa da pandemia do novo coronavírus.

Bengtson entregou a um assessor do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o parecer sobre a denúncia contra a parlamentar apresentada pelo deputado Léo Motta (PSL-MG). Agora, caberá à mesa diretora decidir qual encaminhamento dar ao documento. A expectativa é que dê continuidade e que o processo siga para o conselho de ética da Câmara.

O corregedor afirmou que o parecer está baseado “na ausência de provas do contraditório". “Ou seja, ela não conseguiu trazer para Corregedoria provas de que ela não quebrou o decoro parlamentar. Então nós, por esse entendimento, estamos encaminhando à mesa diretora a continuidade do processo”, afirmou.

“Nós temos inúmeros indícios e provas e ela não conseguiu trazer para a Corregedoria foi a negativa dessas provas”, disse.

O Conselho de Ética é responsável por dar andamento ou arquivar o processo de cassação. Se o pedido for aprovado, a decisão de encerrar o mandato da deputada caberá ao plenário —são necessários ao menos 257 votos favoráveis ao parecer do Conselho de Ética.

No entanto, o órgão continua inativo, à espera da votação de um projeto de resolução para reativar o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar e outras três comissões (Constituição e Justiça, Finanças e Tributação e Fiscalização Financeira e Controle). Só depois da votação é que os colegiados serão retomados.

Segundo Bengtson, a falta de acordo sobre a reabertura remota da CCJ está travando a apreciação do projeto. A própria Corregedoria apresentou um projeto de resolução para abrir apenas o conselho de ética, ainda sem prazo para entrar na pauta.

Flordelis foi formalmente notificada sobre a denúncia no dia 9 de setembro. Ele alega ser inocente.

O pastor Anderson foi assassinado com mais de 30 tiros dentro da própria casa, em Niterói, região metropolitana do Rio. De acordo com investigações da Polícia Civil, o plano para matar o pastor começou em maio de 2018, com um envenenamento em doses por arsênico.

A deputada foi indiciada por homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa majorada. Para a polícia, a motivação do crime foi a insatisfação com a maneira que o pastor Anderson administrava a vida financeira da família.

Flordelis não foi presa por causa da imunidade parlamentar. Nesse caso, apenas os flagrantes de crimes inafiançáveis são passíveis de prisão.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.