Mesa diretora da Câmara encaminha ao conselho de ética processo contra Flordelis

Se comissão aprovar o pedido, a decisão de encerrar o mandato da deputada caberá ao plenário

Brasília

A mesa diretora da Câmara dos Deputados aprovou por unanimidade nesta quarta-feira (28) o parecer do corregedor parlamentar, Paulo Bengtson (PTB-BA), que recomendava o encaminhamento ao Conselho de Ética do processo que pode levar à cassação da deputada Flordelis (PSD-RJ).

Foram cinco votos a favor do parecer. A mesa diretora é composta pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e tem como primeiro vice-presidente Marcos Pereira (Republicanos-SP) e como segundo vice-presidente o deputado Luciano Bivar (PSL-PE).

Além deles, há quatro titulares: a primeira secretária é Soraya Santos (PL-RJ), o segundo secretário, Mário Heringer (PDT-MG), o terceiro, Expedito Netto (PSD-RO), e o quarto, André Fufuca (PP-MA).

Pereira e Netto, do partido da deputada, não votaram.

O caso então será encaminhado para o conselho, que deve ser retomado a próxima semana.

Os líderes tentam chegar a um acordo para votar um projeto de resolução que permita que as comissões permanentes funcionem de forma remota.

Segundo Bengtson, Maia disse que na próxima semana o projeto deve ser votado.

“Foi uma decisão unânime. A deputada não apresentou as provas contrárias àquilo que ela está sendo acusada, e nós julgamos a quebra de decoro. Demos admissibilidade ao processo, seguimento ao processo, para a comissão de ética, que vai fazer a análise de que punições ele poderá ter”, afirmou o corregedor.

No conselho, será sorteado um relator, que terá tempo para apresentar seu parecer sobre o caso. A seguir, se for recomendada a cassação, o caso é decidido pelo plenário.

“Agimos de forma rápida. Acho que a Câmara está dando a resposta de forma rápida. Fizemos nossa análise do processo e conclusão pela corregedoria um mês antes do prazo”, disse Bengtson. “A Casa está dando a resposta à sociedade, sim.”

O segundo secretário, Mário Heringer, afirmou que ficou caracterizada atitude incompatível com decoro. “Quando é incompatível com o decoro, regimentalmente, está definido que é passível de cassação do mandato”, explica.​

O Conselho de Ética é responsável por dar andamento ou arquivar o processo de cassação.

Se o pedido for aprovado, a decisão de encerrar o mandato da deputada caberá ao plenário —são necessários ao menos 257 votos favoráveis ao parecer do Conselho de Ética. No entanto, o órgão continua inativo, à espera da votação de projeto de resolução para reativá-lo.

No parecer, apresentado no início de outubro, Bengtson afirmou que Flordelis não conseguiu apresentar provas de que não quebrou o decoro parlamentar.

Flordelis foi formalmente notificada sobre a denúncia no dia 9 de setembro. Ele alega ser inocente.

O pastor Anderson foi assassinado com mais de 30 tiros dentro da própria casa, em Niterói, região metropolitana do Rio. De acordo com investigações da Polícia Civil, o plano para matar o pastor começou em maio de 2018, com um envenenamento em doses por arsênico.

A deputada foi indiciada por homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa majorada. Para a polícia, a motivação do crime foi a insatisfação com a maneira que o pastor Anderson administrava a vida financeira da família.

Flordelis não foi presa por causa da imunidade parlamentar. Nesse caso, apenas os flagrantes de crimes inafiançáveis são passíveis de prisão.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.