Pagadores de promessa lamentam falta de procissão do Círio de Nazaré, no Pará

Em vez de circular nas ruas, imagem de Nazaré fará sobrevoo em Belém, no domingo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Timóteo Lopes
Belém

Uma das maiores festas católicas do mundo será diferente, em 2020, por conta da pandemia do novo coronavírus. A procissão do Círio de Nazaré, que ocorre desde 1793, em Belém, com cerca de 2,5 milhões de fiéis nas ruas da cidade, não acontecerá neste domingo (11). A imagem fará um sobrevoo na cidade, além de uma programação especial de lives nas redes sociais.

Os promesseiros e devotos da santa terão que se adaptar ao novo momento. Enquanto alguns acompanharão de casa, pela TV e internet, outros devotos pretendem, ainda assim, fazerem a própria procissão a pé. A corda, símbolo da festa, que segue a imagem nas ruas, será cortada em várias partes e enviada para todas as 95 paróquias da diocese.

Álvaro Couto, 40, é consultor de TI e guarda de Nazaré, uma espécie de escolta da imagem, formada por centenas de voluntários homens que ficam ao centro da procissão, atrelada à corda segurada pelos pagadores de promessas.

Desde 2012, ele acompanha o Círio pra pagar uma promessa pela saúde da filha que nasceu prematura. O fiel lamenta, mas ficará em casa com a família.

"Foi uma surpresa pra mim o cancelamento da procissão. Pela primeira vez, não participarei do Círio, seja como guarda ou fiel, porque fui diagnosticado com Covid-19, nesta semana. Isso me deixou um pouco triste. Mas ficarei em casa com a família, em oração, pedindo proteção e que achem logo a cura para essa doença", conta Álvaro.


A massoterapeuta Rose Lucena, 56, diz já ter alcançado muitas graças com Nossa Senhora de Nazaré, mas por conta da pandemia também irá ficar em casa.

"Eu sempre fui para o Círio, desde criança, com a minha mãe. Continuei mantendo a tradição depois que casei e sempre acompanho a procissão com o meu marido e filhos. Mas, neste ano, ficaremos reunidos em casa por segurança. Somos do grupo de risco. É uma pena não ter Círio, né? Mas, eu sei que Nossa Senhora de Nazaré entenderá", afirma.

Já a aposentada mineira Geralda Marcelino, devota de Nazaré e moradora de Belém há 25 anos, decidiu manter a tradição e caminhar pelas ruas da cidade com a irmã, que passou por tratamento de câncer, para pagar a sua promessa. Elas já tiveram a Covid-19.

Foi durante a cirurgia da irmã, no mesmo dia da grande procissão, anos atrás, que a mineira conheceu a grandiosidade do Círio. "Tenho certeza de que foi pela intercessão da nossa mãe que ela não fez a passagem naquele momento. Quando minha irmã saiu da cirurgia, os médicos me contaram que foi um milagre conseguir trazê-la à vida novamente".

Neste ano, mesmo com a pandemia, não quer romper sua tradição de caminhar para agradecer pela saúde da irmã. "Desde então, todos os anos, nós pagamos a nossa promessa na procissão com o povo. É um momento sublime. Como já tivemos a Covid-19, faremos a nossa caminhada solitária rezando e agradecendo por mais um Círio".

Todas as treze procissões da Festa de Nazaré foram canceladas pela Arquidiocese de Belém, seguindo recomendação das autoridades de saúde para evitar aglomerações e a propagação da Covid-19.

"Para nós, o Círio vai acontecer e deve acontecer, ainda que tenhamos muitas adaptações a fazer. Um Círio diferente, tarefa de todos nós, cristãos católicos, que o assumimos como missão, dando exemplo a todos de que somos capazes de abraçar também as cruzes e limitações que nos vieram durante esse período", afirmou o arcebispo Metropolitano de Belém, dom Alberto Taveira.

O papa Francisco também enviou uma mensagem do Vaticano, em Roma, sobre o fato de a celebração, em Belém, não poder ser nas ruas.

"No meio desta pandemia que causa tanta aflição e transtornos, impedindo inclusive que se realize a tradicional procissão do Círio, vamos levantar o olhar para Maria, a mãe que Cristo nos deixou, e embora seja a única mãe de todos, manifesta-se de distintas maneiras na Amazônia. Que Maria possa interceder junto a seu divino filho, afim de que essa dura prova termine e todas as famílias mergulhadas no sofrimento possam encontrar o consolo e a paz".

A Diretoria da Festa de Nazaré diz ter ciência que, mesmo com o cancelamento do Círio, muitos romeiros farão a sua procissão. "Fizemos uma ampla campanha educativa, mas temos certeza que muitos grupos do interior e romeiros farão a sua procissão no domingo. A Catedral da Sé e a Basílica Santuário estarão com as portas fechadas", diz o diretor-geral da Festa de Nazaré, Mário Tuma.

Após sobrevoo, a imagem chega às 10h à Basílica Santuário para missa, sem a presença dos fiéis.

A transmissão será neste domingo, a partir das 7h, pela TV Círio, nas redes sociais e plataforma digitais da Fundação Nazaré de Comunicação.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.