Destino do Minhocão pode passar por alternativas além de parque, demolição e via expressa

Urbanistas examinam opções como túnel, relocação de trilhos e mesmo manutenção

Três mil e quatrocentos metros de pista elevada e três décadas de debates esperam da gestão que assumir São Paulo em janeiro um fim: depois de a Câmara Municipal suspender, em setembro, a decisão anterior de transformá-lo em parque, o que fazer com o Minhocão?

Um plebiscito foi proposto para 2022, e talvez nada mude. Pesquisa realizada pelo Datafolha em setembro mostra que 54% dos paulistanos querem o elevado como é hoje, via expressa em horário comercial e acesso a pedestres à noite e aos finais de semana. São 30% os que desejam que a construção seja transformado em parque, e 7%, que sua estrutura seja completamente demolida.

Afora as três opções, que outras possibilidades poderiam ser imaginadas?

"Projetos e desenhos não faltam, mas nenhuma solução imposta de cima para baixo pode funcionar", diz Vinicius Andrade, arquiteto e urbanista, sócio da Andrade Morettin e cocriador do Laboratório Arq. Futuro de Cidades do Insper.

Recuperando a longa história de concursos e chamamentos, ele enfatiza a necessidade de pactos mais bem costurados entre o setor público, o setor privado e a sociedade civil. Andrade se mostra cético, por exemplo, em relação à construção de um túnel, como a Perimetral do Rio e o chamado Big Dig, artéria central que atravessa Boston ("o custo é altı́ssimo, digo cem vezes mais em relação às alternativas", afirma).

Já o enterramento da ferrovia da Barra Funda (eixo Lapa-Brás), vislumbrado desde 2013 dentro do Projeto de Intervençã o Urbana (PIU) do Arco Tietê, parece fazer sentido na visã o urbanista, pois abriria a possibilidade de desafogar o fluxo de 70 mil carros/dia na ligação Leste-Oeste.

Na época, os custos para enterrar os trilhos foram estimados em R$ 3,5 bilhões. A construção de uma via expressa em paralelo à ferrovia estava também prevista em um projeto de requalificação urbana assinado pelo escritório DEF e pela consultoria Urban Systems.

Apresentado à prefeitura em 2012, durante a gestão Gilberto Kassab, o projeto imaginava a demolição do elevado apenas no trecho entre a praça Roosevelt e o largo Santa Cecı́lia, com a abertura de um canteiro central. O restante do viaduto seria convertido em parque linear.

"Quase dez anos depois, continuo achando a ideia muito pertinente para uma cidade mais humana e mais conectada", diz Thomaz Assunção, presidente da Urban Systems. Segundo ele, as novas formas de trabalho remoto instituı́das com a pandemia podem alterar a maneira como os fluxos se organizam.

"Tudo indica que as pessoas vão ficar mais tempo em casa, diminuir esse transporte pendular casa-escritó rio/centro-bairro em horá rios pré-definidos", complementa. "Não vai ter essa periodicidade marcada, caracterı́stica da era industrial. Nesse sentido, talvez a via expressa que imaginamos no traçado da ferrovia pudesse ser substituı́da por um VLT."

A parte de baixo do elevado, por sua vez, seria transformada num corredor de lojas e galerias. Em 2019, alunos de urbanismo da Escola da Cidade, da FAU-USP e do Mackenzie cursaram disciplinas exclusivamente dedicadas a pensar o Minhocão, graças a uma iniciativa da prefeitura de aproximar-se das universidades.

Responsáveis pela pós-graduação em Mobilidade e Cidade Contemporânea na Escola da Cidade, Marta Lagreca e Pablo Hereñú , junto com outros três professores, criaram um laboratório de projetos que dividiu o Minhocão em cinco seguimentos.

"A ideia era fazer uma análise mais detalhada, em escala humana, quase quadra a quadra", contou Lagreca. "Eu já fui entusiasta da demolição. Hoje acho que não dá para a gente ter uma visão retrospectiva e romântica de achar que vai recriar o antigo bulevar. Isso é nostalgia."

No projeto das alunas Gabriela Sá e Juliana Simantob, o parque é instalado sobre uma versã o mais estreita do Minhocão – os pilares são mantidos, mas as vigas são retiradas – numa adaptação prevista para funcionar por dez anos, como laboratório participativo, antes da remoção total. O estreitamento, elas defendem, permitiria maior iluminação ao nı́vel inferior.

"Mais de um projeto contemplou essa possibilidade", enfatiza Marta.

Cicatriz urbana, o Minhocão surgiu na paisagem paulistana em 1971. Criado pelo então prefeito biônico Paulo Maluf em meio à Ditadura Militar, o viaduto exaltava a crença na cidade para o automóvel e foi construı́do sobre o que era uma das principais avenidas de São Paulo, a São João.

O resultado quase imediato foi a degradação do entorno e uma queda vertiginosa dos alugueis. Depois de décadas de discussão, a desativação do elevado foi definida no Plano Diretor assinado em 2016, durante a gestão Fernando Haddad. Em fevereiro de 2018, a lei que cria o Parque Municipal do Minhocão foi promulgada pelo então prefeito João Doria (PSDB).

Atendendo a um pedido do Ministério Público, uma liminar de junho de 2019 suspendeu o andamento do processo, alegando que a criação do parque se dava de forma aleatória e sem lastro técnico. A liminar foi derrubada em outubro e o processo voltou a andar.

Uma licitação chegou a escolher uma empresa de engenharia para projetar e construir oito acessos de pedestres. O plano foi interrompido pela pandemia e pela aprovação da convocação de plebiscito.

Crı́ticos ao parque veem na proposta uma imitação artificial da High Line nova-iorquino "na esteira hipster", frisando a diferença entre as antigas ferrovias do século 19 e um viaduto dos anos 1970. Apontam também a dificuldade de manter os jardins verticais que foram instalados nos prédios do entorno e preocupações com o trânsito.

Entusiastas do parque, capitaneados pela Associação Parque Minhocão, citam lazer, a dignidade e a transformação do entorno que os novos usos poderiam proporcionar.

"Não existe consenso. Os catedráticos do urbanismo divergem entre si", ressalta Vinicius Andrade.

Ele defende a manutenção, com um olhar especialmente atento à parte inferior: "A inteligência desse lugar [Minhocão] está na versatilidade. Existe ali um corredor de serviços –serralheiro, bicicletaria, lojas populares de móveis de escritório. Daria para cuidar dessa parte com pintura, forro acústico, manutenção e manter esse perfil popular ao invés de transformar tudo em lojas e cafés que a população que hoje circula ali não vai poder frequentar. "


Caminho tortuoso

  • O Elevado Costa e Silva é inaugurado pelo então prefeito Paulo Maluf, depois de 11 meses de obra, em 1971
  • A primeira restrição para circulação de carros é uma interdicnao das 0h às 5h em 1976
  • O então prefeito Jânio Quadros recebe em 1987 o primeiro projeto para transformação em jardim suspenso
  • A partir de 1989, o elevado passa a ficar fechado de segunda a sábado entre 21h30 e 6h30
  • O elevado é fechado aos domingos e feriados, ao longo de todo o dia, desde 1996
  • Em 2006, é promovido o concurso Prêmio Prestes Maia para gerar proposições para o local. Vence José Alves e Juliana Corradini, que previram o viaduto coberto e a construção de um parque no "terceiro nível", sobre a passagem de carros
  • A Associação Parque Minhocão é fundada em 2013
  • O novo Plano Diretor de São Paulo, em 2014, indica restrição aos carros e demanda a transformação
  • A prefeitura sanciona o projeto de lei que cria o Parque Minhocão em 2016, e Surgem os primeiros jardins verticais
  • O Secovi, em 2017, contrata Jaime Lerner, que desenvolve um projeto para o parque
  • O então prefeito João Doria sanciona regras para o funcionamento do parque em 2018
  • No ano seguinte, a Associação Parque Minhocão e Projetar.org lançam o concurso "Imagine Parque Minhocão" para estudantes e recém-formados
  • Em setembro de 2020,a Câmara Municipal aprova convocação de um plebiscito sobre o destino do elevado

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.