Descrição de chapéu Obituário Jane Di Castro (1947 - 2020)

Mortes: Diva nos palcos, nas telas e na vida, fortaleceu a cena trans

Jane Di Castro pode ser vista atualmente na novela 'A Força do Querer', de Glória Perez

São Paulo

“Jane era uma artista na essência, uma mulher de garra, alegria e muitos ensinamentos.” As palavras são do ator Silvero Pereira para a cabeleireira, atriz e cantora Jane Di Castro. Eles contracenaram na novela global “A Força do Querer”, de Glória Perez, e tornaram-se amigos.

Em sua trajetória de 73 anos, a estrela e símbolo da cena LGBTQIA+ venceu obstáculos, lutou contra o preconceito e abriu as portas das artes e do entretenimento para a representatividade trans.

O câncer tirou Jane Di Castro dos palcos da vida no dia 23 de outubro. Ficam as lembranças de uma ariana autêntica. Jane era determinada, destemida, de personalidade forte e guerreira.

Jane Di Castro (1947-2020)
Jane Di Castro (1947-2020) - Instagram/janedicastro

Amigo desde a adolescência, o pesquisador Cezar Sepúlveda, 75, a define como um ser iluminado e humano. “Jane não queria ser uma velhinha fazendo show de revival, como Shirley Bassey ou Barbra Streisand, por exemplo, mas que as pessoas tivessem boas recordações dela”, afirma.

Nascida no Rio de Janeiro como Luiz de Castro. Na década de 1960, abraçou a profissão de cabeleireira e nos anos 1970 transformou-se em Jane Di Castro. Exerceu as duas carreiras em paralelo.

Era dona do próprio salão e uma das estrelas do show e do documentário Divinas Divas, dirigido por Leandra Leal.

À Folha, Silvero Pereira conta que conheceu Jane como admirador do Divinas Divas e, após assistir ao documentário de Leandra Leal, ficou encantado.

“Tive a oportunidade de assistir a um show das Divas no Teatro Rival e foi deslumbrante vê-la cantando Cartola e Édith Piaf”, afirma.

“Quando fui convidado pra fazer a novela e a Glória me perguntou qual das Divinas seria a tutora de Elis Miranda (Nonato), imediatamente falei Jane di Castro. Era uma oportunidade de me aproximar dela enquanto fã e colega de trabalho. Fomos muito felizes em ‘A Força do Querer’ e nos tornamos amigos e admiradores, pois ela também foi me assistir no teatro algumas vezes”, relata Silvero.

Jane fez participações em outras novelas e filmes, como o “De Perto Ela Não é Normal” –dirigido por Cininha de Paula–, que não chegou a assistir.

Jane era viúva desde 2018. Viveu com o empresário Otávio Bonfim por 51 anos, união oficializada em 2014.

Segundo Cezar, Jane morava sozinha e tinha receio de receber amigos por causa da pandemia de Covid-19.

Poucas pessoas sabiam do seu estado de saúde. O salão que levava o seu nome, de acordo com Cezar, teve as atividades encerradas.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.