Descrição de chapéu Obituário Chainy João Racy (1934 - 2020)

Mortes: Estimulava a leitura e usava o teatro para ensinar os alunos

Professora exigente e querida, Chainy João Racy foi uma mestra marcante na vida de centenas de estudantes

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

As aulas de português da professora Chainy João Racy não tinham nada de monótonas para as centenas de alunos que ela ajudou a formar em Pirajuí (SP), cidade de 25 mil habitantes a 385 km da capital.

Com entusiasmo, ela fazia uma viagem no tempo para explicar a origem da língua portuguesa, incentivava leituras e exigia a montagem de pequenos espetáculos como parte da avaliação: podiam ser musicais, dramas, comédias ou declamações de poemas.

"Não havia nada melhor do que o teatro para enfrentar uma classe", disse, ano passado, em conversa com um ex-aluno transmitida pelas redes sociais.

Chainy João Racy (1934-2020)
Chainy João Racy (1934-2020) - Reprodução/Youtube

A professora acreditava que os alunos precisavam aprender a lidar com o público e por isso recorria às artes cênicas.

Formada em letras pela USP, ela chegou a dar aulas em São Paulo durante dois anos, mas escolheu a cidade onde viviam suas irmãs para seguir a carreira no magistério. Além de português, deu também aulas de francês.

"O tempo como professora foi muito bom. Foi uma época de formação minha e dos estudantes", dizia.

Nas mensagens de despedidas publicadas por ex-alunos nas redes sociais, as lembranças são de uma professora que ensinava a amar os livros, era exigente, ajudava de forma voluntária quem precisava de reforço e participava ativamente da organização das formaturas das turmas.

Aposentada há 30 anos, ainda era saudada por ex-alunos que a encontravam na rua ou a viam na varanda da casa em que vivia. Para os professores, tinha uma dica importante: é preciso ter vocação.

"Se não gosta de lidar com jovens e crianças, sai dessa", disse, ano passado, ao falar sobre o Dia do Professor.

Chainy morreu no dia 9 de novembro, aos 86 anos, de problemas pulmonares. Deixou irmãs, sobrinhos e muitos ex-alunos que nunca esqueceram a mestra.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.