Descrição de chapéu Coronavírus

Próxima do recorde de novos casos diários, Curitiba suspende cirurgias eletivas

Três hospitais públicos da cidade atingiram lotação máxima para pacientes com Covid-19

Covid-19

Curitiba

O aumento no número de casos do novo coronavírus nas últimas semanas fez a prefeitura de Curitiba suspender cirurgias eletivas a partir desta terça-feira (17) por prazo indeterminado. A gestão de Rafael Greca (DEM), no entanto, liberou no mesmo dia o retorno das aulas curriculares para alunos de até 10 anos nas escolas particulares.

Na segunda-feira (16), três dos 16 hospitais da capital paranaense que atendem pacientes do SUS atingiram lotação máxima de UTIs para adultos com Covid-19. Do total de 273 leitos como estes reservados pela prefeitura apenas para adultos com a doença, 43 estão livres.

As contaminações com o novo coronavírus vêm crescendo em Curitiba há cerca de duas semanas. Nesta terça, os casos ativos na cidade chegaram a 7.449, número que só é menor do que o registrado no final de julho, quando o município atingiu o pico da pandemia.

No dia 31 de outubro, foram 393 novos diagnósticos. Duas semanas depois, na sexta-feira (13), 749. A média móvel passou de 351 até o feriado de Finados e, agora, está em 477 registros.

A secretária municipal de saúde, Márcia Huçulak, afirmou que a suspensão de cirurgias eletivas ainda é uma medida preventiva. “É possível que tenhamos um aumento de internamentos na próxima semana, e a medida é de precaução para tenhamos um pouco mais de leitos de Covid-19 disponíveis e que ninguém fique sem assistência”, disse.

A prefeitura aponta que o número de pessoas procurando as unidades de pronto atendimento com sintomas respiratórios também aumentou. Na semana de 2 a 8 de novembro foram 6.752 e, já na semana seguinte, entre os dias 9 e 15, foram 8.300.

Nas instituições particulares, a situação também não é confortável. O Hospital Marcelino Champagnat divulgou uma nota nesta terça informando que está com 100% dos leitos ocupados por causa do aumento no número de casos de Covid-19. Segundo a instituição, o pronto atendimento está trabalhando no limite da capacidade máxima.

Na contramão da curva ascendente da pandemia, a prefeitura liberou a volta às aulas de crianças com menos de 10 anos que estudam em escolas particulares. Em ofício em resposta à uma consulta do sindicato que representa os estabelecimentos, Huçulak considerou que as crianças estão a aproximadamente 240 dias sem atividades presenciais e que a retomada, de forma geral, não impactou negativamente na curva de internações e óbitos em outros países.

Em outro trecho do ofício em que autoriza o retorno às aulas, a secretária cita que as atividades presenciais são uma “oportunidade de preparar as crianças para o enfrentamento de situações adversas, tendo a resiliência como valor a ser fortalecido, para ampliar a sua capacidade de lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos e resistir à pressão de situações adversas e traumáticas, como a vivenciada neste momento”.

Poucos antes da eleição, em entrevista ao jornal Meio-Dia Paraná, da RPCTV, o prefeito Greca afirmou que só vai retomar as aulas nas escolas públicas de Curitiba após uma vacina para a Covid-19. Sem citar nomes, disse também que adversários políticos mentiam ao dizer que ele decretaria lockdown na cidade logo após o pleito. Ele foi reeleito no último domingo (15).

“Peço que se forem à balada, à praia, ao parque, não coloquem o pé na jaca e nem chutem o balde. Se formos inteligentes, não vamos precisar fechar nada. Se forem na balada fiquem longe uns dos outros. Quando acabar a gente vai ter a festa do abraço”, disse.

A fala do prefeito tem relação com a faixa etária que tem mais colaborado para o aumento de casos na cidade. Os números mais significativos de novos contaminados são de jovens. Na faixa de 20 a 29 anos, o crescimento é de 25%, e, entre 30 e 39 anos, de 30%. Nas outras faixas etárias a variação é de aproximadamente 7%.

O aumento nos números ainda não justifica a troca de bandeira que rege o funcionamento de comércio e serviços na capital, de acordo com a prefeitura. Desde o final de setembro, a cidade está no nível de alerta amarelo, que dá maior flexibilidade à abertura de estabelecimentos, incluindo cinemas e teatros, por exemplo.

As bandeiras podem ser mais rígidas, passando pela laranja até a vermelha, a depender do nível da pandemia.

Todo o Paraná vem sofrendo com uma curva ascendente da pandemia. Em todo o mês de outubro, o número de novos casos dificilmente ultrapassava mil no estado. Desde o início de novembro, no entanto, o índice só ficou abaixo desse patamar por quatro dias, todos em finais de semana, períodos em que o número de diagnósticos geralmente é mais baixo. Nesta terça, bateu recorde, com 2.324 novos casos e 30 mortes.

Considerando a ocupação de leitos, a região leste, onde fica a capital, é a mais pressionada, com 74% de UTIs para adultos ocupados. Na sequência está a região noroeste do estado, com pouco menos de 50% de leitos como estes disponíveis.

Mas, há pequenos municípios com situação mais complicada do que a vivida no pico da pandemia. Com pouco mais de 61 mil habitantes, Irati, no sudeste do estado, está desde a semana passada com ocupação total de leitos de UTI e enfermaria para tratamento da Covid-19 no seu principal hospital público.

A partir desta quarta-feira (18), o prefeito Jorge Derbli (PSDB) decretou toque de recolher entre 22h e 6h para tentar conter a pandemia. Ele já havia baixado regras mais rígidas para controle da Covid-19, como proibição de eventos. Só na última semana, foram 185 novos casos registrados na cidade, que soma um total de 1.244 ocorrência, com 14 mortos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.