Acordos brasileiros por vacina russa contra a Covid-19 estão parados

Estudos necessários para registro da Sputnik V no país ainda não chegaram à Anvisa

Curitiba

Os acordos para compra e eventual produção pelo Brasil da Sputnik V, vacina russa contra o novo coronavírus, ainda não avançaram.

O governo do Paraná anunciou a parceria em agosto e afirmou que, até o final de setembro, submeteria o protocolo de validação da fase 3 de estudos clínicos da vacina à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), necessário para o registro no Brasil. Porém isso não aconteceu.

Já o Executivo da Bahia, que fechou acordo pela vacina em setembro, afirmou que está ajudando o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), detentor da patente da Sputnik V, nos procedimentos junto à Anvisa.

Agente de saúde aplica dose da Sputnik V em mulher em Moscou, no último dia 8; programa de imunização russo começou no dia 5 de dezembro
Agente de saúde aplica dose da Sputnik V em mulher em Moscou, no último dia 8; programa de imunização russo começou no dia 5 de dezembro - Evgeny Sinitsyn/Xinhua

O secretário de saúde baiano, Fábio Vilas-Boas, apontou que, ao lado do governador, Rui Costa (PT), reuniu-se nesta quarta-feira (9) com membros do RDIF para seguir com os estudos necessários.

“Vamos ajudá-los na realização do estudo clínico que a Anvisa solicitou com brasileiros. O governo baiano irá apoiar, inclusive financeiramente, se necessário, a condução desse estudo para que a vacina tenha esse registro o mais rápido possível”, disse Vilas-Boas à Folha, sem detalhar prazos.

A intenção, segundo o secretário, é obter ao menos 50 milhões de doses do imunizante.

No caso do Paraná, a Anvisa disse estar "em tratativas” com o governo do estado e com o Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná), por meio do qual a primeira parceria foi firmada, para que a vacina obtenha o registro no Brasil.

“Essas reuniões são de caráter preliminar, antecipando possíveis demandas futuras”, detalhou a agência.

Como o desenvolvimento clínico da Sputnik V foi totalmente conduzido na Rússia, a Anvisa não precisa dar anuência prévia para os estudos clínicos, mas é necessário que os russos cumpram os devidos procedimentos para registrar o imunizante.

Em outubro, a Agência recebeu pedido de avaliação de documentos preliminares referentes à vacina, mas explicou que não se tratava de um pedido para testes clínicos, nem de registro da imunização.

Procurada pela Folha, a assessoria do Tecpar informou que questionamentos sobre o protocolo da imunização deveriam ser direcionados ao fundo russo, que, igualmente solicitado, não respondeu às perguntas da reportagem.

Enquanto o registro não avança no Brasil, o presidente argentino, Alberto Fernandéz, garantiu nesta quinta-feira (10) que a vacinação com a Sputnik V vai começar ainda em 2020 no país, após acordo com a Rússia.

O contrato, segundo ele, prevê uma primeira remessa de 600 mil doses, suficientes para imunizar 300 mil argentinos, ainda neste ano. Entre janeiro e fevereiro, outros 10 milhões de cidadãos do país vizinho também devem tomar a vacina. A Argentina tem cerca de 44 milhões de habitantes.

Fernández disse ainda que ele mesmo será o primeiro a ser vacinado para afastar dúvidas sobre a qualidade científica da imunização russa.

A parceria com os russos é a terceira firmada pela Argentina para aquisição de imunizantes contra a Covid-19. Eles também têm acordos com a AstraZeneca e a Universidade de Oxford e com o Covax Facility, instrumento de acesso global a vacinas.

Resultados parciais indicaram que a Sputnik V é 92% eficaz na proteção das pessoas contra a Covid-19, segundo divulgou o governo russo em novembro. O imunizante foi o primeiro a ser aprovado de maneira emergencial no mundo, em agosto. Mas, os estudos ainda geram desconfiança da comunidade científica, que vê falta de transparência no processo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.