Descrição de chapéu câncer

Covas sai de licença após radioterapia e Ricardo Nunes assume Prefeitura de SP por dez dias

Prefeito se ausentará do cargo para repouso e cuidados pessoais em nova etapa do tratamento contra câncer na cárdia

São Paulo

O prefeito de São Paulo Bruno Covas (PSDB), 40, se licenciará do cargo por dez dias para se recuperar de mais uma etapa do tratamento contra o câncer. O seu vice, Ricardo Nunes (MDB), vai assumir pela a gestão da cidade pela primeira vez.

Os dois foram empossados em 1º de janeiro na Câmara Municipal para o mandato que vai até dezembro de 2024.

Durante a eleição, Nunes se tornou um calo eleitoral para o tucano. O então vereador ficou conhecido pelas suspeitas de irregularidade em entidades gestoras de creches e por uma queixa na polícia de violência doméstica feita por sua mulher —ele nega agressões e qualquer irregularidade.

Membro da bancada religiosa da Câmara paulistana e ligado à Igreja Católica, Nunes foi escolhido vice em um aceno ao eleitorado conservador. Ele já subiu em carro de som ao lado de padres para denunciar a “ideologia de gênero” e apoiou o projeto do escola sem partido.

Covas vai se afastar pelos próximos dez dias do cargo para repouso e cuidados pessoais, segundo informou a equipe médica do Hospital Sírio Libanês, que acompanha o prefeito.

Ele foi submetido a uma sessão complementar de radioterapia, parte do tratamento contra o câncer na cárdia, localizado na transição entre o estômago e o esôfago, diagnosticado em outubro de 2019.

Após esse período, está prevista a continuidade do tratamento com exames de controle e imunoterapia, iniciada após resultados da biópsia revelarem, em fevereiro do ano passado, que o câncer não desapareceu com a quimioterapia.

Covas passou por oito sessões de quimioterapia, mas elas não foram suficientes para vencer o câncer.

Desde dezembro de 2020, as sessões de radioterapia já estavam previstas, mas os médicos não divulgaram detalhes sobre essa mudança no tratamento.

Naquele mês, Covas fez uma avaliação médica completa no Hospital Sírio-Libanês, e os exames mostraram a eficácia da imunoterapia. Os linfonodos acometidos pela doença estavam estabilizados.

A equipe médica informou ainda que Covas estava clinicamente bem e não havia recomendação de restrições naquela ocasião. Por isso, o prefeito manteve o ritmo normal de trabalho na prefeitura.

Ele está sendo acompanhado pelas equipes coordenadas pelos médicos David Uip, Roberto Kalil Filho, Artur Katz, Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e João Luiz Fernandes da Silva.

O oncologista Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, que acompanha Bruno Covas, disse que a licença é uma ordem médica.

Segundo ele, Covas terminou nesta segunda (18) mais uma etapa do tratamento de radioterapia, iniciado em 14 de dezembro para controle dos linfonodos.

“Ele tem sintomas discretos da radioterapia, um pouco de cansaço, de falta de apetite, que são muito comuns nesses casos.”

O médico diz que o prefeito é muiro “workaholic” e não descansa. “Vem vindo de períodos de muito estresse, a pandemia de Covid, a campanha, a reeleição. Ele não tirou um dia de descanso. Agora, finalmente ele aceitou a ordem médica de descansar dez dias. Ele também é filho de Deus e tem direito de descansar um pouco."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.