Incêndio destrói 250 barracos em ocupação irregular ao lado de prédios do Minha Casa Minha Vida no Rio

Não houve registro de vítimas no local; famílias desabrigadas serão levadas para a Vila Olímpica

São Paulo

Um incêndio de grandes proporções destruiu nesta quinta-feira (14) à noite 250 barracos de madeira e plástico em uma favela localizada na estrada dos Palmares, próximo a um conjunto habitacional do programa Minha Casa Minha Vida em Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro.

Segundo informações da Prefeitura do Rio, não há registro de vítimas, mas todas as famílias que viviam no local ficaram desabrigadas.

O incêndio começou por volta das 20h e foi controlado no final da noite. Moradores de prédios localizados próximos à ocupação irregular jogaram baldes de água para tentar controlar o fogo antes da chegada dos bombeiros.

As famílias desabrigadas foram levadas para a escola municipal Roberto Civita para serem cadastradas e, em seguida, serão abrigadas temporariamente na Vila Olímpica.

A subprefeitura da zona oeste e as secretarias municipais de Educação e de Assistência Social participaram da operação de cadastramento. A secretaria de Juventude organiza o alojamento provisório na Vila Olímpica.

"As pessoas vão ser abrigadas e vamos tratar de resolver o problema em definitivo dessas famílias que estão há três, quatro anos abandonadas aqui nessa ocupação", disse o prefeito Eduardo Paes (DEM), que esteve no local.

Além dos bombeiros, equipes da Defesa Civil, Guarda Municipal, Light e outros órgãos municipais atuaram para combater o incêndio e remover os moradores. Uma das faixas da estrada dos Palmares foi interditada para o trânsito.

A Secretaria de Estado de Defesa Civil informou no início da madrugada desta sexta-feira (15) que vai doar uma tonelada de água para as famílias que ficaram desabrigadas.

Incêndio destrói 250 barracos ao lado de prédios no Rio de Janeiro
Incêndio destrói 250 barracos ao lado de prédios do Minha Casa Minha Vida no Rio de Janeiro - Reprodução

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.