Descrição de chapéu Obituário Marcelo Bennesby (1969 - 2021)

Mortes: Comprometeu-se com a notícia e deu voz ao povo

Marcelo Bennesby era jornalista e apresentador de TV

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Eliezer Bennesby chamava o filho Marcelo Bennesby de galã de poeira. Bonito, carismático, humilde e carinhoso com todas as pessoas, indiscriminadamente, ele roubava a cena por onde passava.

Natural de Manaus, Marcelo se mudou com a família para São Paulo aos cinco anos e permaneceu na grande metrópole até a separação dos pais, quando escolheu morar em Porto Velho.

Aos 20 anos, ficou órfão de pai. Após a morte de Eliezer num acidente com ultraleve, Marcelo assumiu a responsabilidade de cuidar dos irmãos, mesmo sem ser o mais velho, segundo a autônoma Simone Silveira Bennesby, 54, sua irmã.

A ligação entre Simone e Marcelo era muito forte. “Coisa de alma gêmea”, afirma Simone. “As palavras dele me consolavam. O Marcelo era a primeira pessoa que eu ia procurar quando tinha algum problema.”

Marcelo Bennesby (1969-2021)
Marcelo Bennesby (1969-2021) - Arquivo pessoal

O convite para iniciar na TV surgiu antes de se formar em jornalismo, por meio de uma amiga.

Marcelo fez carreira na imprensa. Trabalhou como editor-chefe na Rede Amazônica e passou pelas TVs Globo e Record em Rondônia. Atualmente, apresentava e editava o Fala Rondônia 1ª edição, na afiliada da Rede TV!.

Na política, foi candidato a deputado estadual nos anos de 2006 e 2018, pelo PV (Partido Verde) e PDT (Partido Democrático Trabalhista), respectivamente.

Graças ao comprometimento com a notícia, ao jornalismo comunitário do qual tanto gostava e pelo fato de dar voz ao público que Marcelo trilhou um caminho de sucesso.

Em sua vida, também deu espaço à arte. Fundou e foi líder por mais de 20 anos da banda Rock Soul Funk, da qual era guitarrista.

Marcelo Bennesby sofreu um AVC no início de janeiro, passou por cirurgia e ficou internado na UTI de um hospital particular em Porto Velho. Segundo Simone, apresentou melhora no quadro de saúde, mas teve outro AVC, entrou em coma e foi diagnosticado com Covid-19.

Morreu dia 24 de janeiro, aos 51 anos, após parada cardíaca. Deixa a mulher, dois filhos, uma enteada, a mãe e quatro irmãos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.