Descrição de chapéu Obituário Sofia Pastore Damiani (1993 - 2021)

Mortes: Em pouco tempo, fez muito e sentiu tudo intensamente

Gastróloga, Sofia Pastore Damiani trabalhou em restaurantes estrelados de São Paulo, mas descobriu que gostava mesmo era de lecionar

Suzana Singer
São Paulo

Sofia era o maior bebê da maternidade. Primeira filha, primeira neta, logo esqueciam quão grande e forte ela era e a cercavam de cuidados, como se pudesse quebrar a qualquer solavanco.

Quando ia passar o dia na casa do pai, a mãe se afligia. Qualquer espirro era motivo de preocupação. Mas Sofia cresceu ainda mais, sem sustos, tornou-se uma linda menina, quieta e luminosa.

Vendo-a colocar uma boneca para dormir, senti, pela primeira vez na vida, vontade de ter filhos.

Sofia Pastore Damiani (1993-2020)
Sofia Pastore Damiani (1993-2020) - Arquivo pessoal

Na escola, era boa aluna, fazia amigos, não dava trabalho. Parecia que se criava sozinha, disse uma vez a mãe.

A adolescência trouxe tempestades, mas a inteligência e compaixão de Sofia surpreendiam a todo momento. Filha de Karina Pastore e Marco Damiani, jornalistas de mão-cheia, escrevia muito bem e tinha um olhar sofisticado para a fotografia.

Graduou-se em gastronomia, fez uma pequena tatuagem de uma faca de cozinha no braço, trabalhou em vários restaurantes estrelados de São Paulo, mas descobriu que o que gostava mesmo era de lecionar.

Lidava com crianças pequenas com uma naturalidade impressionante, o que já era possível vislumbrar quando Maria, sua irmã 12 anos mais nova, nasceu.

Decidiu estudar pedagogia e começou a trabalhar como assistente de professora em uma escola bilíngue.

Apaixonou-se por Vinicius, chef de cozinha, e nasceu um menino que, aos cinco anos, é a mistura do que há de melhor em cada um dos pais.

Sofia sentia tudo intensamente, como se queimasse sem explicação. Era mesmo frágil, como temiam seus pais.

Morreu no último dia do ano da pandemia. Estava lendo Pablo Neruda, o poeta de "posso escrever os versos mais tristes esta noite. Pensar que não a tenho. Sentir que a perdi".

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.